Documentos

A Rede Latino-Americana de Gestão Cultural, que agora se inicia e já envolve muitos países, acaba de lançar seu documento fundador.  Ao final do documento, estão listados os membros fundadores da rede e sua coordenação. Do Brasil participa o Prof. Albino Rubim, diretor de pesquisa da rede e editor da Políticas Culturais em Revista.

 

Septiembre de 2010

I.- Presentación

En las últimas décadas, en América Latina hemos vivido un intenso proceso de desarrollo de la gestión cultural producto de una diversidad de acciones académicas, profesionales y comunitarias tendientes al reconocimiento de la gestión cultural como una profesión, así como de un campo disciplinar emergente.

Como parte de este proceso de consolidación, instituciones, organizaciones civiles y personas que se dedican al ejercicio, formación e investigación de la gestión cultural, requieren de espacios de intercambio y colaboración permanentes que faciliten la producción y circulación de materiales, ideas, experiencias y posturas en común, así como las divergentes y alternativas.

Latinoamérica es una región geográfica con diferentes territorios, grupos sociales y culturas que tienen una historia en común, pero también procesos socioculturales similares. Sus habitantes han compartido condiciones sociales, económicas y políticas similares que han generado a lo largo de los siglos una identificación común de experiencias, problemáticas y necesidades.

En ese sentido, los latinoamericanos compartimos experiencias y fortalezas en el ámbito del trabajo cultural que requerimos documentar, analizar y socializar para reconocer concepciones y metodologías propias desde y para la región. La experiencia histórica del quehacer cultural en Latinoamérica y su rico patrimonio demandan este esfuerzo.

Así, reconocemos que desde el siglo XIX se ha venido conformando un pensamiento latinoamericano que valora la importancia del pasado cultural y la búsqueda de la emancipación de las naciones a través de la autorrealización, la solidaridad y el reconocimiento de la diversidad cultural.

En el espacio latinoamericano, coexisten diversas visiones, herencias y prácticas culturales que han sido objeto de políticas culturales por parte de diversos agentes sociales desde distintas orientaciones ideológicas, así como intereses económicos y políticos. Ello se ha traducido en  programas y proyectos que intervienen en el sistema de producción cultural de nuestras comunidades, en ocasiones para fomentar y fortalecer las culturas locales y otras más para diluirlas y desarticularlas.

La gestión cultural, es un campo profesional y académico en formación en Latinoamérica que se ha ido conformando a través de la importación intelectual de modelos desarrollistas, a través del intercambio con diversos países dentro y fuera de la región, así como la sistematización y reflexión de las prácticas de los gestores latinoamericanos desde los ámbitos institucionales, empresariales y comunitarios. De este modo, resulta de vital importancia la consolidación de la gestión cultural en nuestra región desde una visión latinoamericanista que reconozca los avances conceptuales, metodológicos y operativos que se han generado a nivel internacional, pero también que construya visiones y acciones acordes con las realidades, necesidades, problemáticas y potencialidades de nuestras comunidades.

Por ello, nos convocamos para la creación de una Red Latinoamericana de Gestión Cultural, como esfuerzo ciudadano, dirigido a personas naturales y jurídicas dedicadas a la formación, investigación y ejercicio de la gestión cultural.

La Red es un espacio para el desarrollo de acciones colectivas en perspectiva de la generación y socialización de conocimientos en el campo de la gestión cultural y las políticas culturales, el intercambio académico y la cooperación internacional en el ámbito latinoamericano. Un espacio asociativo, y punto de encuentro de agentes culturales que realizan acciones culturales en Latinoamérica, sean de origen latinoamericano o no, por lo que es un espacio abierto y en diálogo permanente con gestores, agrupaciones e instituciones de todo el mundo.

II.- Considerandos

La Red Latinoamericana de Gestión Cultural hace suyos los principios y recomendaciones de los siguientes documentos internacionales: el artículo 27 de la Declaración Universal de los Derechos Humanos de las Naciones Unidas, la Convención sobre Diversidad Cultural y Derechos Culturales , la Declaración de Friburgo sobre Derechos Culturales, la Carta Iberoamericana de la Cultura y la Agenda 21 de la Cultura.

III.- Son principios de la Red

  1. El reconocimiento de la cultura como elemento clave del desarrollo y como derecho exigible, a la vez que base de un desarrollo armónico e integral entre los seres humanos.
  2. La valoración y promoción de la diversidad cultural, la interculturalidad y los derechos humanos y culturales.
  3. El intercambio democrático de ideas, experiencias, investigaciones y reflexiones en torno al desarrollo de la gestión cultural en América Latina con miras a la consolidación del campo disciplinar de la gestión cultural en la región.
  4. El trabajo en red y la cooperación solidaria entre sus miembros.
  5. El reconocimiento de la autonomía e independencia de la sociedad civil ante el estado u otros organismos y el derecho a promover y ejercer una cultura de la participación ciudadana y comunitaria.

IV.- Objetivos

General

Generar un espacio de encuentro y colaboración para la reflexión, discusión y construcción del campo disciplinar de la gestión cultural en Latinoamérica, contribuyendo al reconocimiento y valoración del campo de la gestión cultural, sus prácticas, procesos y aprendizajes.

Específicos:

–       Generar y socializar conocimientos sobre prácticas, discursos, conceptos y metodologías de la gestión cultural y las políticas culturales en América Latina.

–       Propiciar el intercambio entre profesionales, estudiantes, docentes e investigadores sobre prácticas de gestión, cooperación  y políticas culturales de Latinoamérica, contribuyendo a la socialización y fortalecimiento de dichas experiencias.

–       Estimular la profesionalización de la labor de los gestores culturales favoreciendo el desarrollo de instancias de formación que contribuyan al fortalecimiento del quehacer cultural y sus actores.

–       Contribuir al fortalecimiento de la asociatividad de los gestores y sus organizaciones mediante la cooperación y el trabajo en red.

–       Analizar y proponer criterios teóricos, metodológicos, formativos y normativos para la práctica de la gestión cultural.

–       Visibilizar la profesión de la gestión cultural dentro del campo cultural y en la sociedad en general.

–       Fomentar una gestión cultural que promueva la cohesión social, la equidad, la participación ciudadana, la libertad de creación, la interculturalidad, la cultura democrática con especial atención a los agentes culturales de base.

–       Promover el emprendimiento cultural y creativo como herramienta para la diversidad cultural.

V.- Líneas de acción

Para el cumplimiento de los objetivos de la Red, se realizarán acciones de manera colaborativa entre los miembros, organizadas en base a las siguientes líneas de acción:

  • Formación: Consiste en el diseño, implementación, operación y/o evaluación de programas de formación en gestión y políticas culturales dirigidas a los distintos agentes y con una diversidad de modalidades, temáticas y niveles. Las acciones a realizar podrán ser, entre otras:

–       Programas de formación de formadores en gestión cultural.

–       Programas de formación de y para investigadores.

–       Programas de formación para entes e instituciones del sector cultural.

–       Propuesta de perfiles profesionales y diseño curricular para la evaluación y desarrollo de programas de formación.

–       Generación de programas de formación interinstitucionales de formación y actualización para profesionales empíricos.

–       Acciones de formación para y entre los gestores culturales de base.

  • Investigación: Consiste en la elaboración, financiamiento, implementación y/o evaluación de proyectos de investigación sobre las prácticas, visiones, experiencias, modelos, metodologías y propuestas en gestión y políticas culturales en el ámbito latinoamericano. Las acciones que se podrán llevar a cabo son:

–       Generación de proyectos de investigación colectivos.

–       Seminarios y coloquios de investigación en gestión cultural y políticas culturales.

–       Analizar y difundir procesos para jerarquizar la profesión y visibilizar el campo profesional.

–       Propuestas de criterios legales y normativos para el servicio civil de carrera.

–       Acompañamiento y seguimiento para la consolidación de asociaciones gremiales.

  • Recursos informativos: Consiste en el diseño, producción, circulación, intercambio  y/o evaluación de recursos informáticos sobre gestión cultural y temáticas afines. Se podrían llevar a cabo las siguientes acciones:

–       Relevamiento y difusión de material existente.

–       Implementación de herramientas para el trabajo académico colaborativo.

–       Proyectos de co-edición de recursos informativos (libros, revistas, videos, etc.).

–       Conformación de directorios y bases de datos.

–       Generación y socialización de manuales.

–       Generación de  herramientas de y para la práctica profesional.

–       Elaboración de boletines, bancos de experiencias y foros.

  • Movilidad: Consiste en el diseño e implementación de un programa permanente de movilidad entre los miembros enfocadas a estancias académicas y de prácticas profesionales, estudiantes, docentes e investigadores de la gestión cultural que fomente y facilite el intercambio entre las personas e instituciones participantes. Entre las acciones a realizar podrán ser:

–       Estancias académicas de profesores e investigadores de programas universitarios en gestión cultural.

–       Movilidad estudiantil entre programas universitarios de gestión cultural.

–       Estancias profesionales de gestores culturales en las organizaciones e instituciones miembros.

–       Estancias académicas con fines de actualización de gestores culturales empíricos en programas universitarios de gestión cultural.

  • Redes y participación ciudadana: Consiste en la generación de espacios e instancias para el encuentro de los gestores y sus organizaciones, a la vez que propiciar el conocimiento e intercambios de sus experiencias y aprendizajes. Para ello, se favorecerá el desarrollo y elaboración de:

–       Encuentros y nacionales de gestores y organizaciones culturales

–       Intercambios y estancias.

–       Recomendaciones y propuestas a organismos públicos y privados, así como pronunciamientos relacionados con los objetivos y principios de la Red.

VI.- Participantes de la Red

Podrán integrar la Red:

–       Personas naturales que desarrollen y/o participen de proyectos de formación, investigación o ejercicio de la gestión cultural en el contexto latinoamericano.

–       Asociaciones civiles y comunitarias que contemplen el desarrollo de acciones relacionadas con el ejercicio profesional de la gestión cultural.

–       Redes asociativas locales, regionales, nacionales e internacionales cuyas actuaciones se relación con el campo de la cultura, las artes y la gestión cultural.

–       Instituciones gubernamentales y educativas que realizan acciones de formación y/o investigación de la gestión cultural y las políticas culturales en algún país de Latinoamérica.

–       Instituciones del mundo privado relacionadas con el campo artístico y cultural cuyas actuaciones contemplen el desarrollo de acciones formativas, de investigación o ejercicio profesional de la gestión cultural.

La membresía y formas de participación se especificarán en los Estatutos de la Red.

VIII.-. Estrategias de trabajo y comunicación

La unidad elemental de trabajo de la Red son los proyectos, por lo que cada acción propuesta en el apartado “líneas de acción”, deberá convertirse en un proyecto elaborado e implementado por un equipo de trabajo el cual será coordinado por uno o varios miembros de la Red.

En ese sentido, todo miembro que ingrese a la Red deberá integrarse como participante u observador en al menos un proyecto de la Red o generar una propuesta a partir de las líneas de acción propuestas, en concordancia con los propósitos de la esta.

Para el diseño, implementación, seguimiento y evaluación de los diferentes proyectos, la REDLG podrá realizar:

a-     Reuniones generales de carácter presencial de los miembros de la Red.

b-     Reuniones de trabajo presenciales de los equipos de proyectos.

c-     Reuniones virtuales de los equipos de los proyectos.

d-     Utilización de ambientes virtuales de trabajo colaborativo.

e-     Organización de encuentros y seminarios.

f-      Generación de un portal web de la Red.

g-     Creación y mantenimiento de un directorio de miembros.

IX.- Organización de la RED

La REDLGC está conformada por cinco nodos: formación, investigación, recursos informativos,  movilidad y redes y participación ciudadana. Cada uno de ellos, dará origen a  diversos equipos de trabajo, a su vez, responsables de los proyectos de la Red.

Del mismo modo, cada nodo contará con un coordinador responsable de dar seguimiento a las acciones realizadas por los equipos de trabajo de los proyectos.

La conducción de la Red, estará a cargo de una Junta Directiva.

XI.- Miembros fundadores

Son miembros fundadores de la REDLG:

–       Florencia Parodi Cánavas, Almagesto mediando cultura (Argentina)

–       Ursula Rucker, AGECULTURA Asociación de Gestores Culturales de la República Argentina

–       (Argentina)

–       Claudia Chiappino, AGECULTURA Asociación de Gestores Culturales de la República Argentina (Argentina)

–       Rubens Bayardo, Universidad General de San Martín (Argentina)

–       Ruby Grisales, Red de Gestores del Valle del Cauca, Universidad del Valle (Colombia)

–       Ignacio Ojeda, Red de Gestores Culturales de Colombia (Colombia)

–       Carlos Yánez Canal, Universidad Nacional de Colombia.

–       Roberto Guerra Veas, Escuela de Gestores y Animadores Culturales, EGAC (Chile)

–       Rafael Morales Astola, Federación Estatal de Asociaciones de Gestores Culturales (España)

–       José Ramón Insa Alba, Red INTERLOCAL (España)

–       José Luis Mariscal Orozco, Universidad de Guadalajara (México)

–       María del Carmen Valenzuela Gómez, Universidad de Guadalajara (México)

–       Sergio Machín, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       Rinela Camejo, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       José Luis García, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       Marina Chávez, Festival de las Artes, Sucre (Bolivia)

–       Gonzalo Ordóñez, ArsInventing, Cochabamba (Bolivia)

–       Rosario Ríos, Maquilishuat (El Salvador)

–       Santiago Nogales, Maquilishuat (El Salvador)

–       Antonio Albino Canelas Rubim, Universidad Federal de Bahía (Brasil)

Junta Directiva

Roberto Guerra Veas – Presidente

Ursula Rucker – Secretaria General

José Luis Mariscal Orozco – Coordinador General de Nodos

Coordinadores Nodos

Investigación: Antonio Albino Canelas Rubim.

Formación: Ruby Grisales y Carmen Valenzuela.

Movilidad:

Comunicación y Relaciones Institucionales: Sergio Machín Cauda, Ignacio Ojeda Benítez y Florencia Parodi Cánavas.

Se firma en el Municipio de Maldonado, Uruguay, el domingo 12 de setiembre de 2010

————————————————————————————————————————————————————-

Legislação Histórica – Regulação e Fiscalização da Atividade Artística

A quem possa interessar estou enviando Decreto da época de Afonso Pena que me parece ser um dos primeiros instrumentos jurídicos de regulação da atividade artística.

Abraços,

Rodrigo Vieira

DECRETO N. 6562 – DE 16 DE JULHO DE 1907

Approva o regulamento para a inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal.

O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil, em conformidade do disposto no art. 9º do decreto n. 1631, de 3 de janeiro do corrente anno, resolve approvar, para a inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal, regulamento que a este acompanha, assignado pelo Ministro de Estado da Justiça e Negocios Interiores.

Rio de Janeiro, 16 de julho de 1907, 19º da Republica.

Affonso augusto moreira penna.

Augusto Tavares de Lyra.

Regulamento para a Inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal, a que se refere o decreto n. 6562, desta data

CAPITULO I

DAS CASAS DE ESPECTACULOS EM GERAL

Art. 1º Nenhuma casa destinada a espectaculos ou divertimentos publicos terá licença do Chefe de Policia para funccionar sem verificação prévia, mediante vistoria, das condições de segurança hygiene e commodidade publicas.

Art. 2º Em todas as casas de espectaculos ou divertimentos publicos serão rigorosamente observadas, pelos emprezarios ou responsaveis, as seguintes disposições, além das que forem privativas da Prefeitura Municipal.

§ 1º Todos os logares destinados ao publico terão facil communicação com as portas de sahida, que deverão abrir e estar promptas a ser franqueadas rapidamente, em caso de panico ou incendio.

§ 2º Os corredores e mais dependencias, que servirem de passagem, conservar-se-hão livres de grades, cadeiras e quaesquer outros objectos que possam impedir o transito.

§ 3º Nenhuma alteração poderá ser feita nas divisões internas, quer no palco quer na sala e em outras dependencias, sem prévia autorização do Chefe de Policia, a quem deverá ser entregue o plano ou o projecto da modificação.

§ 4º A illuminação geral ou supplementar será a gaz ou electricidade.

§ 5º Os combustores de gaz, fixos ou volantes, ficarão encerrados em lanternas ou guarnecidos de telas de arame.

§ 6º Haverá um empregado incumbido exclusivamente de fiscalizar durante o espectaculo toda a illuminação geral ou supplementar.

§ 7º O edificio deverá ser illuminado uma hora antes da marcada no programma do espectaculo e assim permanecerá até a sahida do publico e da autoridade policial.

§ 8º Em caso de panico ou de incendio, sómente será apagada a illuminação por ordem da autoridade policial ou do commandante da turma de bombeiros de serviço.

§ 9º Haverá um registro privativo da turma de bombeiros, não sendo permittido o funccionamento da casa que o não tiver.

§ 10. Os machinismos e scenarios deverão ser collocados na caixa do palco, de modo a não embaraçarem o serviço de bombeiros em caso de sinistro.

§ 11. No palco e suas dependencias apenas serão guardados os machinismos e scenarios indispensaveis a cinco espectaculos no maximo, devendo o excedente ser depositado em logar separado do edificio.

§ 12. Os scenarios, os forros de papel, e os objectos de facil combustão, as buchas de armas de fogo e os artefactos pyrotechnicos serão tornados incombustiveis pelos processos chimicos adoptados.

§ 13. O uso de qualquer arma de fogo dependerá de prévio exame e consentimento da autoridade que presidir ao espectaculo.

§ 14. A lotação dos camarotes, frizas, platéa, varandas, galerias e archibancadas será marcada pelo Chefe de Policia, não podendo ser alterada sem licença expressa do mesmo.

§ 15. Serão fixas as cadeiras e archibancadas, que se destinem ao publico, exceptuando os logares de camarotes ou frizas.

§ 16. As cadeiras da platéa terão declive conveniente; a fórma de poltronas; 45 centimetros, pelo menos, de largura nos assentos e o espaço de 60 centimetros, no minimo, entre as respectivas filas; podendo o Chefe de Policia estabelecer um prazo razoavel para a fiel execução desta providencia nos theatros desta Capital.

§ 17. Os camarotes, frizas, varandas, platéa, galerias e archibancadas serão numerados.

§ 18. Não será permittida, sob qualquer pretexto, a venda de entradas para os diversos logares que excedam á lotação do theatro e bem assim fóra da bilheteria ou das agencias especiaes da empreza.

§ 19. Haverá para a autoridade incumbida de presidir ao espetaculo um camarote, proximo ao palco e de facil communicação com os diversos logares occupados pelo publico. No camarote destinado á policia sómente poderão ter ingresso o Chefe de Policia, os delegados auxiliares, o delegado do respectivo districto ou o supplente encarregado de presidir ao espectaculo.

§ 20. A porta de communicação para a caixa do palco deverá conservar-se fechada durante o espetaculo, havendo uma chave para uso privativo da autoridade policial.

§ 21. Na caixa do palco sómente será permittido o ingresso ás pessoas que obtiverem permissão do respectivo emprezario, e independente della ás autoridades policiaes em exercicio.

§ 22. Não será permittida a representação de qualquer peça que offenda ás instituições nacionaes ou de paiz estrangeiro, seus representante ou agentes, aos bons costumes e á decencia publica, ou que contenha allusões aggressivas a determinadas pessoas.

§ 23. Não será tambem permittida a execução de canto, musica, pantomima, peça declamatoria ou qualquer outra que não constar do programma.

§ 24. Ninguem poderá fumar nos camarotes, frizas, corredores, bastidores, no palco ou em qualquer outro logar da sala de espectaculos, salvo os artistas, quando no desempenho de seus papeis.

§ 25. Haverá exclusivamente para as senhoras um vestiario e sala de toilette, conservado com o maximo asseio e servido por pessoal idoneo.< /p>

§ 26. Haverá tambem em logares convenientes, para uso dos demais espectaculos, numero sufficiente de installações sanitarias.

§ 27. As emprezas theatraes são obrigadas a ter sempre um medico de serviço durante as representações.

§ 28. Não será permittido annunciar em voz alta, dentro do theatro, programmas, librettos, flores, ou qualquer outro objecto á venda.

§ 29. As casas de espectaculos ou divertimentos publicos terão communicação telephonica directa com a Policia Central e com o Corpo de Bombeiros.

§ 30. E’ expressamente prohibida a exploração de qualquer jogo de azar nas casas de espectaculos ou divertimentos publicos, ou mesmo nas suas dependencias.

Art. 3º Nenhuma licença será concedida para a execução de qualquer peça theatral sem que fique verificado, desde que os autores preencham as condições do art. 13 da lei n. 496, de 1 de agosto de 1898:

§ 1º Si peça é original ou traducção;

§ 2º No segundo caso, si a traducção é autorizada;

§ 3º Si os traductores são nacionaes ou estrangeiros residentes no Brazil;

§ 4º Si contém qualquer alteração do texto original.

Paragrapho unico. As autorizações devem constar de documento escripto.

Art. 4º Quando as traducções forem feitas por estrangeiros não residentes no Brazil e não tenham sido autorizadas expressamente, ou quando, tanto originaes como traducções, apresentarem quaesquer alterações não autorizadas pelo autor, a licença será recusada.

CAPITULO II

DOS EMPREZARIOS OU DIRECTORES DE COMPANHIAS E SEUS EMPREGADOS

Art. 5º Todos os emprezarios ou directores de companhias são especialmente obrigados:

§ 1º A requerer a necessaria licença para os espectaculos, declarando a natureza de sua companhia, logar em que vae funccionar e nomes dos artistas, contractados ou não.

§ 2º A communicar ao 2º delegado auxiliar, com antecedencia de 24 horas, a realização do primeiro ensaio e a do ensaio geral da peça que pretendem representar.

§ 3º A enviar á mesma autoridade e com igual antecedencia dous exemplares identicos, impressos, lithographados, ou manuscriptos, do programma do espectaculo, um dos quaes, depois de approvado e visado, ser-lhes-ha restituido, afim de ser exhibido á autoridade que presidir ao espetaculo, ficando o outro archivado.

§ 4º A annunciar, por meio de cartazes affixados á porta e pela imprensa, o programma approvado, que deverá ser fielmente executado, não podendo transferir o espectaculo, nem alteral-o, sem prévia autorização do Chefe de Policia ou do respectivo delegado auxiliar.

§ 5º A dar começo ao espectaculo, diurno ou nocturno, impreterivelmente á hora marcada no programma; devendo o primeiro terminar até ás 6 horas da tarde e o segundo até meia noite, salvo licença expressa da autoridade que a elle presidir para prolongar-se além daquelles prazos.

§ 6º A avisar ao publico por meio de cartazes, si não houver tempo de annunciar pela imprensa, da autorização da transferencia do espetaculo, declarando sempre o motivo.

§ 7º A publicar por meio de cartazes affixados no vestibulo e declaração feita do palco pelo contra-regra qualquer das occurrencias do paragrapho anterior, depois de resolvida pela autoridade.

§ 8º A permanecer na casa durante o espetaculo para receber os avisos e intimações da autoridade e responder pela observancia estricta deste Regulamento, fazendo-se representar na sua ausencia por pessoa idonea, cujo nome será indicado á mesma autoridade.

§ 9º A publicar em cartaz affixado á porta e pela imprensa, no começo de cada serie de espectaculos, a tabella dos preços dos differentes logares destinados ao publico, não podendo alteral-a.

§ 10. A mandar effectuar na bilheteria a venda das differentes entradas pelo menos duas horas antes do espetaculo; sendo-lhes, todavia, permittido estabelecer, onde lhes convier, agencias para aquelle fim;

§ 11. A entregar senhas aos espectadores que sahirem durante a representação ou seus intervallos.

§ 12. A providenciar para que os intervallos ou entreactos não excedam de 15 minutos, salvo concessão especial, a juizo da autoridade que presidir ao espetaculo.

§ 13. A remetter ao 2º delegado auxiliar cinco entradas geraes, sem qualquer signal ou indicação particular, afim de serem distribuidas a agentes de segurança publica.

§ 14. A providenciar sobre a regularidade dos serviços internos, asseio do edificio, boa ordem e moralidade na caixa do palco, quer nos espetaculos, quer durante os ensaios.

Art. 6º São obrigações dos empregados de movimento e porteiros:

1º Abrir todas as portas de sahida cinco minutos antes de terminar o espectaculo ou logo que se manifeste panico ou incendio.

2º Tratar os espectadores com toda a urbanidade, communicando á autoridade as divergencias que occorrerem.

CAPITULO III

DOS ARTISTAS

Art. 7º Os artistas e mais figurantes são especialmente obrigados:

§ 1º A desempenhar o serviço para que se houverem contractado, verbalmente ou por escripto, salvo o caso de enfermidade devidamente attestada, nojo por fallecimento de conjuges, paes ou filhos, e falta de recebimento de seus vencimentos.

§ 2º a interpretar fielmente, nos seus papeis, o texto da peça, abstendo-se de fazer accrescimos ou suppressões que desvirtuem o pensamento dos autores.

Art. 8º Aos professores que compuzerem a orchestra ou banda de musica são applicaveis as disposições do § 1º do artigo anterior.

CAPITULO IV

DOS ESPECTADORES

Art. 9º Os espectadores deverão:

§ 1º Não incommodar quem quer que seja durante o espetaculo, nem perturbar os artistas durante a representação, salvo o direito de applaudir ou reprovar; não podendo, em caso algum, arrojar á caixa do palco objectos que molestem as pessoas, nem fazer motim, assuada ou tumulto com gritos, assobios ou outros quaesquer actos que interrompam o espectaculo ou sejam contrarios á ordem, socego e decencia no recinto do edificio.

§ 2º Não receitar ou declamar de qualquer modo peça ou discurso, nem distribuir no recinto manuscriptos, impressos, gravuras, photographias ou desenhos, sem prévia licença da autoridade que presidir ao espectaculo, a quem será entregue uma cópia ou exemplar pelo autor ou editor responsavel.

§ 3º Conservar-se sempre descobertos no recinto dos camarotes e frizas e nos logares da sala durante a representação.

4º Occupar os logares indicados pelos numeros das entradas.

§ 5º Não pedir execução de qualquer peça, canto ou musica e recitação que não faça parte do programma.

Art. 10. Os espectadores teem direito ao espectaculo annunciado e podem exigir a restituição do preço pago pelos seus bilhetes, desde que esse espectaculo tenha sido transferido, modificado ou mesmo quando um dos artistas inscriptos se ache impedido de figurar.

Paragrapho unico. Todavia, aquelle que penetrar na sala de espectaculo, apezar do aviso affixado, ou depois da declaração, publicamente feita pelo emprezario, de haver sido alterado o programma ou substituido um artista, considera-se como tendo dado o seu consentimento, sem direito á restituição.

CAPÍTULO V

DO POLICIAMENTO

Art. 11. A inspecção geral das casas de espectaculos ou divertimentos publicos, compete ao Chefe de Policia, que a exercerá individualmente ou por intermedio do 2º delegado auxiliar.

Art. 12. A’ autoridade incumbida da presidencia do espectaculo ou divertimento publico compete:

§ 1º Assistir aos espectaculos ou divertimentos, devendo comparecer antes de começarem os mesmos e retirar-se depois que o publico tiver sahido.

§ 2º Requisitar a força civil ou militar necessaria á manutenção da ordem e fazer a sua distribuição pelo modo mais conveniente á segurança do publico.

§ 3º Instruir a força, que ficará inteiramente á sua disposição e que só em cumprimento de suas determinações poderá agir.

§ 4º Providenciar sobre a entrada e sahida do publico, de sorte a evitar os embaraços, mandando verificar si as communicações internas guardam o disposto nos §§ 1º e 2º do art. 2º deste regulamento.

§ 5º Mandar expedir do recinto ou prender os espectadores que se portarem de modo inconveniente, fazendo apresentar ás delegacias respectivas os que forem presos em flagrante delicto.

§ 6º Obrigar os emprezarios ou directores a realizarem os seus espectaculos ou divertimentos annunciados, por diminuto que seja o numero de espectadores, salvo acquiescencia da maioria destes ultimos.

§ 7º Reclamar silencio quando for perturbada a ordem publica ou do espectaculo, por excesso das exclamações a que se refere o § 1º do art. 9º deste regulamento.

§ 8º Mandar terminar o espectaculo ou divertimento e evacuar o recinto pela força quando não conseguir restabelecer absolutamente a ordem.

§ 9º Fazer baixar o panno quando a representação se tornar causa de alguma perturbação da ordem.

§ 10. Prohibir que sejam chamadas ao proscenio pessoas estranhas á representação.

§ 11. Intervir conciliatoriamente nas questões que surgirem durante o espectaculo entre o pessoal da companhia.

§ 12. Fiscalizar a redacção dos annuncios feitos nos pannos do proscenio e em outras dependencias do edificio.

§ 13. Communicar immediatamente á Policia Central a transgressão de que resultar crime ou quando algum chegar ao seu conhecimento, prendendo quem o houver praticado e se achar no recinto do edificio.

§ 14. Fazer abrir, findo o espectaculo, todas as portas de sahida.

§ 15. Mandar depositar na Policia Central os objectos esquecidos pelo publico.

§ 16. Levar ao conhecimento do Chefe de Policia ou do 2º delegado auxiliar a transferencia, modificação de programma, substituição de artistas e qualquer outra irregularidade occorrida durante o espectaculo ou divertimento, com informação dos motivos determinados e das providencias tomadas, cumprindo-lhe agir da mesma fórma quando se tenha verificado a inobservancia de alguma das disposições contidas no art. 2º deste regulamento.

Art. 13. A força militar ou civil escalada para o serviço tem por dever:

§ 1º Apresentar á autoridade, não podendo retirar-se antes de findar o espectaculo e sem a necessaria dispensa.

§ 2º Communicar á autoridade todas as irregularidades ou factos que notar ou vierem ao seu conhecimento.

§ 3º Fazer cumprir as disposições do art. 2º, § 24 e art. 9º, § 1º a 5º, deste regulamento.

Art. 14. A’ turma de bombeiros de serviço cumpre:

§ 1º Apresentar-se á autoridade, por intermedio de seu chefe, obedecer ás suas ordens e reclamar-lhe as providencias necessarias ao serviço.

§ 2º Não se retirar de seus postos durante o espectaculo e, findo este, revistar o edificio para que não fique accesa alguma luz ou fogo que possa offerecer perigo.

CAPITULO VI

DISPOSIÇÕES GERAES

Art. 15. Nas praças destinadas a corridas de touros, garraios, novilhos e outro gado, serão particularmente observadas as seguintes disposições:

§ 1º Nenhuma corrida será permittida sem verificação prévia da habilitação dos artistas que houverem de trabalhar; devendo os toureiros, cuja pericia não seja conhecida, provar o exercicio dessa profissão por dous annos, no minimo, e os amadores apresentar attestado de sua aptidão, firmado por tres ou mais peritos na arte.

§ 2º Além da habilitação exigida no paragrapho anterior, a autoridade ordenará tambem uma verificação das condições de vigor e robustez dos touros que deverão ser lidados e dos cavallos a empregar nos trabalhos.

§ 3º O programma deverá sempre indicar claramente as pessoas que tomarão parte nelle, o genero de trabalho de cada uma e demais condições do espectaculo, sendo o emprezario ou seu representante obrigado a prestar todos os esclarecimentos que lhe forem pedidos pela autoridade.

§ 4º Só depois de approvado e visado pelo chefe de Policia ou 2º delegado auxiliar, poderá ser publicado o programma de qualquer corrida, não sendo permittido aos emprezarios annunciar os seus espectaculos por meio de bandos percorrendo as ruas da cidade.

§ 5º O gado destinado á corrida deverá ser conduzido com as devidas precauções até a praça respectiva, onde ficará em logar apropriado e seguro, devendo a autoridade ordenar as providencias que julgar necessarias.

§ 6º Sómente poderá ser lidados os touros depois da conveniente embolação, devendo ser immediatamente retirados da arena os que, por um accidente qualquer, ficarem desembolados.

§ 7º Não são permittidas as pégas.

§ 8º Não será permittido o uso de garrochas de fogo, picar á vara longa e qualquer innovação tornando o divertimento barbaro ou cruel.

§ 9º Não poderão ser novamente lidados os touros cujas feridas não se achem de todo cicatrizadas.

§ 10. Os espectadores não poderão saltar á praças ou a trincheira falsa antes de findar a corrida, nem arremessar á arena e suas dependencias objectos que possam embaraçar a lide ou prejudicar as pessoas ou o gado.

§ 11. A autoridade que presidir ao espectaculo poderá ordenar as providencias que julgar necessarias, não só para fazer cumprir este regulamento e mais disposições vigentes, como para evitar qualquer desastre ou diminuir os perigos dos trabalhos.

Art. 16. A’s praças de touros, que funccionarão sómente durante o dia, serão ainda applicaveis, em seus devidos termos, todas as disposições deste regulamento prescriptas nos capitulos anteriores para as demais casas de divertimentos, com excepção apenas dos paragraphos 10 a 13; 16, 20 a 24 do art. 2º; paragrapho 3º do art. 5º; paragrapho 2º do art. 7º; paragraphos 3º e 5º do art. 9º.

Art. 17. As companhias equestres, de acrobacia, de prestidigitação que trabalharem nas casas de espectaculos, ficarão sujeitas a todas as disposições deste regulamento.

§ 1º Quando funccionarem, nos diversos districtos policiaes, em circos armados, os emprezarios ou directores respectivos observarão as medidas de segurança, hygiene, commodidade e ordem publica estabelecidas nos arts. 1º e 2º; e seus espectaculos será inspeccionados pelos commissarios do districto, a quem o delegado dará as necessarias instrucções.

§ 2º Fica prohibido em espectaculos publicos utilizar crianças menores de doze annos em exercicios acrobaticos, equestres ou gymnasticos.

§ 3º A’ autoridade cumprirá estabelecer as condições exigiveis na pratica das sortes de acrobacia em que haja perigo manifesto e immediato para a vida humana.

Art. 18. Os cafés-concertos, clubs, sociedades recreativas e outros estabelecimentos congeneres serão igualmente inspeccionados pela autoridade policial, observadas as disposições deste regulamento e mantidas quanto aos primeiros as disposições do art. 247 do regulamento approvado pelo decreto n. 6440, de 30 de março de 1907.

Art. 19. Os prados destinados a corridas de cavallos ficam subordinados ás medidas policiaes que lhes forem applicaveis neste regulamento.

§ 1º Nenhuma autoridade policial poderá tomar parte ou intervir directa ou indirectamente nas apostas ou nas operações relativas á venda de poules, que correrá sob a exclusiva responsabilidade das sociedades sportivas, assim como a deliberação sobre o resultado dos pareos.

§ 2º No caso de protesto collectivo que determine grave perturbação de ordem, a autoridade policial que presidir ao sport poderá suspender as corridas, justificando sempre o seu proceder em officio dirigido ao 2º delegado auxiliar.

CAPITULO VII

DISPOSIÇÕES PENAES

Art. 20. A inobservancia das disposições contidas nos arts. 1ºs 2º e seus paragraphos será punida com a multa de 100$ a 200$ sem prejuizo da prohibição ou suspensão do espectaculo nos caso previstos.

Art. 21. A inobservancia das disposições contidas no art. 5º e seus paragraphos e no capitulo VI será punida com as mesmas multas.

Art. 22. A inobservancia das disposições contidas nos arts. 7º, 9º e seus paragraphos será punida com a multa de 50$ a 100$000.

Art. 23. As infracções deste Regulamento para as quaes não houver penalidade expressa serão punidas com a pena de desobediencia, na fórma do art. 135, paragrapho unico, do Codigo Penal, além das mais em que incorrerem os infractores.

Art. 24. As multas serão impostas pelo Chefe de Policia ou pelo 2º delegado auxiliar, mediante representação da autoridade que presidir ao espectaculo, e cobradas judicialmente, no caso de recusa do pagamento.

Paragrapho unico. O producto das multas será arrecadado como renda eventual da Policia e recolhido á respectiva thesouraria.

Art. 25. O Chefe de Policia poderá prohibir temporaria ou definitivamente o funccionamento de qualquer casa de espectaculos, club ou sociedade recreativa que infringir as disposições deste regulamento, ou quando assim julgar conveniente, em beneficio da ordem, segurança e moralidade publicas.

Art. 26. Revogam-se as disposições em contrario.

Rio de Janeiro, 16 de julho de 1907.

.

.

.————————————————————————————————————————————————————-

.

Resoluções da 1ª Conferência de Comunicação Social da Bahia

Eixo 1: Políticas Públicas de Comunicação

TESE CENTRAL

Implantação de políticas públicas que garantam a comunicação democrática, universal, participativa e inclusiva, por meio de investimentos públicos no funcionamento, interface e desenvolvimento do setor, enfatizando prioritariamente a sociedade civil e seus grupos sociais representativos, por financiamentos ou políticas públicas para o desenvolvimento do setor.

1. Regulamentar e implantar o Conselho Estadual de Comunicação, garantindo a participação democrática e representativa dos diversos segmentos sociais e territoriais, com um fundo próprio.

2. Criar a Secretaria de Comunicação Social na estrutura administrativa da Bahia, com projeto de lei encaminhado à Assembléia Legislativa da Bahia.

3. Estimular a reformulação, pelo Congresso Nacional, da legislação de radiodifusão comunitária, para desburocratizar os trâmites legais e, democratizando o acesso, com a participação ativa e efetiva da comunidade, garantindo as autorizações de rádio comunitária em povos e comunidades tradicionais (quilombolas, indígenas, ribeirinhos e outros).

4. Apoiar a regulamentação, pelo Congresso Nacional, do artigo 221 da Constituição Federal, garantindo o percentual mínimo de 30% de produção regional editado, produzido, realizado, veiculado e distribuído pela comunidade, contemplando os diversos segmentos e diversidades étnico-racial, de gênero, cultura e religião.

5. Alterar a política de investimento da verba governamental na área de comunicação, assegurando a publicização, por meio de projeto de lei (se necessário) amplamente debatido pela sociedade, estabelecendo critérios de investimento, financiamento e fortalecimento dos mecanismos de fiscalização, por meio dos conselhos estadual, territoriais e comitês locais, a serem criados, emanados da sociedade civil, abrangendo a diversidade de meios e veículos públicos e privados, bem como promover o financiamento para manutenção e criação de veículos comunitários, alternativos e outros, via editais públicos, com apresentação de projetos.

6. Implantar uma rede pública de comunicação (TV, rádio, internet e outros) em todo o Estado, a partir de um amplo debate popular, garantindo a participação social na gestão e na programação, assegurando a autonomia do seu financiamento, de forma que sua independência editorial seja respeitada, incorporando conteúdo produzido de maneira diversa e independente, assegurando a todos os territórios núcleos de gestão, produção e circulação pública, com ênfase na programação cultural territorial.

7. Promover a formação, qualificação e a requalificação dos profissionais nas áreas de comunicação comercial e comunitárias, ampliando as oportunidades de acesso ao mercado de trabalho.

Eixo 2. Comunicação e Desenvolvimento Territorial

TESE CENTRAL

Democratização dos instrumentos, meios e gestão da comunicação (produção, veiculação e recepção) a partir de diversos segmentos populares, descentralizando-os geograficamente e respeitando a pluralidade étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa e pessoa com deficiência existente em cada território, fomentando os meios de comunicação alternativos, a criação de veículos diversos, de fácil acesso, com estímulo à produção independente, abrangendo todos os públicos como solução prática à distribuição de informação e, sobretudo, à fomentação de práticas de comunicação que gerem participação nas diferentes etapas do processo midiático.

2. Criar e apoiar financeiramente os Conselhos Territoriais de Comunicação e os Comitês Municipais que tenham um formato democrático, participativo e representativo dos segmentos sociais nos territórios (diversidades étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa, pessoa com deficiência). Esses Conselhos estarão vinculados e articulados ao Conselho Estadual de Comunicação.

3. Apoiar, implantar e fornecer infra-estrutura às rádios e TVs universitárias e comunitárias, em parceria com as Secretarias de Educação e de Ciência e Tecnologia, garantindo as condições técnicas e financeiras e sinal suficiente para que estes veículos contemplem as populações das diversas regiões. Bem como implantar os Centros Digitais de Cidadania, com apoio das universidades.

4. Implantar uma política democrática de investimento, financiamento, subsídios fiscais e fundos para projetos de comunicação nos diversos setores sociais, aproximando a sociedade civil das universidades, com publicação de editais e apresentação de projetos.

5. Formar, qualificar e ampliar, nos territórios, os serviços prestados nos centros digitais de cidadania, instalando e capacitando-os de acordo com as demandas e aspectos territoriais, de modo a contemplar as comunidades urbanas, rurais, indígenas, quilombolas, grupos culturais e religiosos, idosos e pessoas com deficiência, promovendo a inclusão digital com ações educativas.

6. Implantar uma política de ampliação e modernização da infra-estrutura de comunicação do Estado (rádio, tv, internet, outros), fazendo com que os sinais de recepção, emissão e meios impressos, cheguem aos municípios, estimulando a produção local, garantindo, no mínimo 30% da produção a todos os segmentos da sociedade e possibilitando a veiculação pelo Estado, a partir do sistema público de comunicação.

Eixo 3: Comunicação e Educação

TESE CENTRAL

Democratização do acesso às novas tecnologias de informação e comunicação de forma livre, responsável e ética com a implantação, ampliação e fortalecimento de centros de criação, produção e exibição multimídia, orientados por profissionais da comunicação e educadores da própria comunidade que estejam ligados a outros espaços públicos comunitários (escolas, por exemplo) em comunidades populares dos centros urbanos e rurais, contemplando as distintas faixas etárias (crianças, adolescentes, adultos e idosos) e diversidades étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa, pessoa com deficiência. Para tanto é necessária a ampliação do financiamento público para a aquisição de equipamentos multimídias para a população, principalmente a de baixa renda, e a criação de incentivos fiscais para projetos que possibilitem necessárias mudanças, entre outras, no sistema de educação com a inserção, inicialmente, de disciplina de Comunicação em diferentes níveis (fundamental, médio e superior) adequando-a ao novo contexto de sociedade do saber e da informação, levando em consideração metodologias que articulam cidadania e novas tecnologias como educomunicação, educação pela comunicação, educação à distância, etc, e implantar TVs por linha modular.

1. Implantar políticas públicas que estimulem a veiculação em todos os meios de comunicação, de aulas voltadas para o combate ao analfabetismo, ao racismo, a homofobia, intolerância religiosa e todas as formas de discriminação transcendendo a instituição escolar e voltadas para a pluralidade cultural.

2. Criar programas de formação em Educomunicação e Novas TIC´s, nas instâncias presencial e à distância, para professores e multiplicadores com a implementação de laboratórios de produção e meios de comunicação, por meio de núcleos no estado da Bahia, valorizando as múltiplas identidades regionais, envolvendo métodos educacionais que estimulem a leitura crítica da mídia, a aproximação das escola/universidades de mídias comunitárias, objetivando consolidar os programas de democratização da comunicação na Bahia, a partir das escolas públicas.

3. Apoiar e financiar os projetos de caráter educativo, de autoria de alunos, professores e organizações não-governamentais que visem a democratização da comunicação no âmbito escolar, ampliando e consolidando as tecnologias em comunicação pública do Estado, a exemplo da TV Anísio Teixeira, TV’s e rádios educativas e comunitárias e portal de internet, e financiamento de TVs por linha modular por órgão público competente.

4. Criar políticas públicas de incentivo e fomento para ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Comunicação e Educação, na Educação Formal – do básico à pós-graduação (em cursos com afinidade ao tema); e na Educação não formal – capacitação de agentes comunitários, grupos de agricultores familiares, quilombolas e indígenas e diversos movimentos sociais.

5. Implantar as disciplinas de comunicação e tecnologia no currículo básico do ensino fundamental e médio, criando a função pública do educador em comunicação e inclusão sócio-digital, potencializando o uso dos equipamentos e software livre nas escolas urbanas, do campo e nos infocentros.

Eixo 4: Cidadania e Novas Tecnologias da Informação e Comunicação – TIC’s

TESE CENTRAL

A Inclusão Sócio-Digital é, hoje, um aspecto fundamental na construção da cidadania em nosso país, assim como a consolidação da democracia, tendo em vista a natureza dos novos espaços públicos midiatizados. O Estado deve ter como objetivo a difusão e democratização dos conceitos básicos de comunicação e informação, implantando, entre outras ações, centros de inclusão digital comunitários, com gestão colegiada, garantindo o acesso e o domínio das tecnologias e do Canal Cidadania no processo de popularização e apropriação da sociedade em torno da convergência digital, com uso de software livre possibilitando a construção de uma cidadania integrada entre meio, instrumentos, processos e gestão das novas mídias da informação e comunicação.

1. Criação de programa de universalização de acesso e centro tecnológico de uso social das novas tecnologias, tendo como finalidade a elaboração de projetos integrados às escolas, escolas comunitárias, universidades e outros setores da sociedade civil, para reforçar a cidadania e o desenvolvimento de territórios democráticos com auxílio dos novos meios.

1. Garantir e ampliar, com qualidade, o acesso à banda larga e rede sem fio e às tecnologias de comunicação (telefonia móvel e fixa, TV e rádio de linha modular, internet) para todos os municípios do estado da Bahia de forma igualitária e de baixo custo, incentivando o acesso gratuito à banda larga, trazendo novas empresas de telecomunicações para promover a livre concorrência, redução dos preços das telefonias fixa, móveis e internet banda larga.

2. Criar Centro Digital de Cidadania fixo e móvel, com equipamentos multimídia para incentivar as tecnologias nacionais e fomentar software livre em espaços sócio-educativos nos territórios, igualitariamente, priorizando as comunidades carentes de bairros periféricos.

3. Criar fundo estadual de incentivo à produção de comunicação e financiar equipamentos, produzidos na Bahia, com incentivos fiscais para associações de moradores e agricultores familiares, movimentos sociais e rádios comunitárias.

Transformar e adequar os atuais Infocentros, Telecentros e Centros Digitais de Cidadania – CDC’s – e instituições do gênero, fixos e móveis, em uma Rede de Comunicação Pública Comunitária, multidisciplinar (educação, comunicação, cultura, arte, informática etc), estabelecida em cada comunidade/município, voltada para a produção de comunicação local (digital e analógica), disponibilizando o acesso à internet banda larga, equipamentos e estúdios para produção sonora e audiovisual, utilizando prioritariamente software livre e tecnologia nacional. O financiamento e o custeio desta Rede é de responsabilidade do Estado, com abertura para investimento privado, e sua gestão deve ser compartilhada com a comunidade. O material produzido na rede deve ser veiculado e disponibilizado em portal criado para essa finalidade, bem como em veículos comunitários, universitários e públicos, garantindo a diversidade de gênero e étnico racial, religiosa, e educação ambiental, considerando-se a necessidade dos pré-requisitos legais garantidos na sua constituição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: