Rede Latinoamericana de Gestão Cultural

outubro 17, 2010

A Rede Latino-Americana de Gestão Cultural, que agora se inicia e já envolve muitos países, acaba de lançar seu documento fundador.  Ao final do documento, estão listados os membros fundadores da rede e sua coordenação. Do Brasil participa o Prof. Albino Rubim, diretor de pesquisa da rede e editor da Políticas Culturais em Revista.

 

Septiembre de 2010

I.- Presentación

En las últimas décadas, en América Latina hemos vivido un intenso proceso de desarrollo de la gestión cultural producto de una diversidad de acciones académicas, profesionales y comunitarias tendientes al reconocimiento de la gestión cultural como una profesión, así como de un campo disciplinar emergente.

Como parte de este proceso de consolidación, instituciones, organizaciones civiles y personas que se dedican al ejercicio, formación e investigación de la gestión cultural, requieren de espacios de intercambio y colaboración permanentes que faciliten la producción y circulación de materiales, ideas, experiencias y posturas en común, así como las divergentes y alternativas.

Latinoamérica es una región geográfica con diferentes territorios, grupos sociales y culturas que tienen una historia en común, pero también procesos socioculturales similares. Sus habitantes han compartido condiciones sociales, económicas y políticas similares que han generado a lo largo de los siglos una identificación común de experiencias, problemáticas y necesidades.

En ese sentido, los latinoamericanos compartimos experiencias y fortalezas en el ámbito del trabajo cultural que requerimos documentar, analizar y socializar para reconocer concepciones y metodologías propias desde y para la región. La experiencia histórica del quehacer cultural en Latinoamérica y su rico patrimonio demandan este esfuerzo.

Así, reconocemos que desde el siglo XIX se ha venido conformando un pensamiento latinoamericano que valora la importancia del pasado cultural y la búsqueda de la emancipación de las naciones a través de la autorrealización, la solidaridad y el reconocimiento de la diversidad cultural.

En el espacio latinoamericano, coexisten diversas visiones, herencias y prácticas culturales que han sido objeto de políticas culturales por parte de diversos agentes sociales desde distintas orientaciones ideológicas, así como intereses económicos y políticos. Ello se ha traducido en  programas y proyectos que intervienen en el sistema de producción cultural de nuestras comunidades, en ocasiones para fomentar y fortalecer las culturas locales y otras más para diluirlas y desarticularlas.

La gestión cultural, es un campo profesional y académico en formación en Latinoamérica que se ha ido conformando a través de la importación intelectual de modelos desarrollistas, a través del intercambio con diversos países dentro y fuera de la región, así como la sistematización y reflexión de las prácticas de los gestores latinoamericanos desde los ámbitos institucionales, empresariales y comunitarios. De este modo, resulta de vital importancia la consolidación de la gestión cultural en nuestra región desde una visión latinoamericanista que reconozca los avances conceptuales, metodológicos y operativos que se han generado a nivel internacional, pero también que construya visiones y acciones acordes con las realidades, necesidades, problemáticas y potencialidades de nuestras comunidades.

Por ello, nos convocamos para la creación de una Red Latinoamericana de Gestión Cultural, como esfuerzo ciudadano, dirigido a personas naturales y jurídicas dedicadas a la formación, investigación y ejercicio de la gestión cultural.

La Red es un espacio para el desarrollo de acciones colectivas en perspectiva de la generación y socialización de conocimientos en el campo de la gestión cultural y las políticas culturales, el intercambio académico y la cooperación internacional en el ámbito latinoamericano. Un espacio asociativo, y punto de encuentro de agentes culturales que realizan acciones culturales en Latinoamérica, sean de origen latinoamericano o no, por lo que es un espacio abierto y en diálogo permanente con gestores, agrupaciones e instituciones de todo el mundo.

II.- Considerandos

La Red Latinoamericana de Gestión Cultural hace suyos los principios y recomendaciones de los siguientes documentos internacionales: el artículo 27 de la Declaración Universal de los Derechos Humanos de las Naciones Unidas, la Convención sobre Diversidad Cultural y Derechos Culturales , la Declaración de Friburgo sobre Derechos Culturales, la Carta Iberoamericana de la Cultura y la Agenda 21 de la Cultura.

III.- Son principios de la Red

  1. El reconocimiento de la cultura como elemento clave del desarrollo y como derecho exigible, a la vez que base de un desarrollo armónico e integral entre los seres humanos.
  2. La valoración y promoción de la diversidad cultural, la interculturalidad y los derechos humanos y culturales.
  3. El intercambio democrático de ideas, experiencias, investigaciones y reflexiones en torno al desarrollo de la gestión cultural en América Latina con miras a la consolidación del campo disciplinar de la gestión cultural en la región.
  4. El trabajo en red y la cooperación solidaria entre sus miembros.
  5. El reconocimiento de la autonomía e independencia de la sociedad civil ante el estado u otros organismos y el derecho a promover y ejercer una cultura de la participación ciudadana y comunitaria.

IV.- Objetivos

General

Generar un espacio de encuentro y colaboración para la reflexión, discusión y construcción del campo disciplinar de la gestión cultural en Latinoamérica, contribuyendo al reconocimiento y valoración del campo de la gestión cultural, sus prácticas, procesos y aprendizajes.

Específicos:

–       Generar y socializar conocimientos sobre prácticas, discursos, conceptos y metodologías de la gestión cultural y las políticas culturales en América Latina.

–       Propiciar el intercambio entre profesionales, estudiantes, docentes e investigadores sobre prácticas de gestión, cooperación  y políticas culturales de Latinoamérica, contribuyendo a la socialización y fortalecimiento de dichas experiencias.

–       Estimular la profesionalización de la labor de los gestores culturales favoreciendo el desarrollo de instancias de formación que contribuyan al fortalecimiento del quehacer cultural y sus actores.

–       Contribuir al fortalecimiento de la asociatividad de los gestores y sus organizaciones mediante la cooperación y el trabajo en red.

–       Analizar y proponer criterios teóricos, metodológicos, formativos y normativos para la práctica de la gestión cultural.

–       Visibilizar la profesión de la gestión cultural dentro del campo cultural y en la sociedad en general.

–       Fomentar una gestión cultural que promueva la cohesión social, la equidad, la participación ciudadana, la libertad de creación, la interculturalidad, la cultura democrática con especial atención a los agentes culturales de base.

–       Promover el emprendimiento cultural y creativo como herramienta para la diversidad cultural.

V.- Líneas de acción

Para el cumplimiento de los objetivos de la Red, se realizarán acciones de manera colaborativa entre los miembros, organizadas en base a las siguientes líneas de acción:

  • Formación: Consiste en el diseño, implementación, operación y/o evaluación de programas de formación en gestión y políticas culturales dirigidas a los distintos agentes y con una diversidad de modalidades, temáticas y niveles. Las acciones a realizar podrán ser, entre otras:

–       Programas de formación de formadores en gestión cultural.

–       Programas de formación de y para investigadores.

–       Programas de formación para entes e instituciones del sector cultural.

–       Propuesta de perfiles profesionales y diseño curricular para la evaluación y desarrollo de programas de formación.

–       Generación de programas de formación interinstitucionales de formación y actualización para profesionales empíricos.

–       Acciones de formación para y entre los gestores culturales de base.

  • Investigación: Consiste en la elaboración, financiamiento, implementación y/o evaluación de proyectos de investigación sobre las prácticas, visiones, experiencias, modelos, metodologías y propuestas en gestión y políticas culturales en el ámbito latinoamericano. Las acciones que se podrán llevar a cabo son:

–       Generación de proyectos de investigación colectivos.

–       Seminarios y coloquios de investigación en gestión cultural y políticas culturales.

–       Analizar y difundir procesos para jerarquizar la profesión y visibilizar el campo profesional.

–       Propuestas de criterios legales y normativos para el servicio civil de carrera.

–       Acompañamiento y seguimiento para la consolidación de asociaciones gremiales.

  • Recursos informativos: Consiste en el diseño, producción, circulación, intercambio  y/o evaluación de recursos informáticos sobre gestión cultural y temáticas afines. Se podrían llevar a cabo las siguientes acciones:

–       Relevamiento y difusión de material existente.

–       Implementación de herramientas para el trabajo académico colaborativo.

–       Proyectos de co-edición de recursos informativos (libros, revistas, videos, etc.).

–       Conformación de directorios y bases de datos.

–       Generación y socialización de manuales.

–       Generación de  herramientas de y para la práctica profesional.

–       Elaboración de boletines, bancos de experiencias y foros.

  • Movilidad: Consiste en el diseño e implementación de un programa permanente de movilidad entre los miembros enfocadas a estancias académicas y de prácticas profesionales, estudiantes, docentes e investigadores de la gestión cultural que fomente y facilite el intercambio entre las personas e instituciones participantes. Entre las acciones a realizar podrán ser:

–       Estancias académicas de profesores e investigadores de programas universitarios en gestión cultural.

–       Movilidad estudiantil entre programas universitarios de gestión cultural.

–       Estancias profesionales de gestores culturales en las organizaciones e instituciones miembros.

–       Estancias académicas con fines de actualización de gestores culturales empíricos en programas universitarios de gestión cultural.

  • Redes y participación ciudadana: Consiste en la generación de espacios e instancias para el encuentro de los gestores y sus organizaciones, a la vez que propiciar el conocimiento e intercambios de sus experiencias y aprendizajes. Para ello, se favorecerá el desarrollo y elaboración de:

–       Encuentros y nacionales de gestores y organizaciones culturales

–       Intercambios y estancias.

–       Recomendaciones y propuestas a organismos públicos y privados, así como pronunciamientos relacionados con los objetivos y principios de la Red.

VI.- Participantes de la Red

Podrán integrar la Red:

–       Personas naturales que desarrollen y/o participen de proyectos de formación, investigación o ejercicio de la gestión cultural en el contexto latinoamericano.

–       Asociaciones civiles y comunitarias que contemplen el desarrollo de acciones relacionadas con el ejercicio profesional de la gestión cultural.

–       Redes asociativas locales, regionales, nacionales e internacionales cuyas actuaciones se relación con el campo de la cultura, las artes y la gestión cultural.

–       Instituciones gubernamentales y educativas que realizan acciones de formación y/o investigación de la gestión cultural y las políticas culturales en algún país de Latinoamérica.

–       Instituciones del mundo privado relacionadas con el campo artístico y cultural cuyas actuaciones contemplen el desarrollo de acciones formativas, de investigación o ejercicio profesional de la gestión cultural.

La membresía y formas de participación se especificarán en los Estatutos de la Red.

VIII.-. Estrategias de trabajo y comunicación

La unidad elemental de trabajo de la Red son los proyectos, por lo que cada acción propuesta en el apartado “líneas de acción”, deberá convertirse en un proyecto elaborado e implementado por un equipo de trabajo el cual será coordinado por uno o varios miembros de la Red.

En ese sentido, todo miembro que ingrese a la Red deberá integrarse como participante u observador en al menos un proyecto de la Red o generar una propuesta a partir de las líneas de acción propuestas, en concordancia con los propósitos de la esta.

Para el diseño, implementación, seguimiento y evaluación de los diferentes proyectos, la REDLG podrá realizar:

a-     Reuniones generales de carácter presencial de los miembros de la Red.

b-     Reuniones de trabajo presenciales de los equipos de proyectos.

c-     Reuniones virtuales de los equipos de los proyectos.

d-     Utilización de ambientes virtuales de trabajo colaborativo.

e-     Organización de encuentros y seminarios.

f-      Generación de un portal web de la Red.

g-     Creación y mantenimiento de un directorio de miembros.

IX.- Organización de la RED

La REDLGC está conformada por cinco nodos: formación, investigación, recursos informativos,  movilidad y redes y participación ciudadana. Cada uno de ellos, dará origen a  diversos equipos de trabajo, a su vez, responsables de los proyectos de la Red.

Del mismo modo, cada nodo contará con un coordinador responsable de dar seguimiento a las acciones realizadas por los equipos de trabajo de los proyectos.

La conducción de la Red, estará a cargo de una Junta Directiva.

XI.- Miembros fundadores

Son miembros fundadores de la REDLG:

–       Florencia Parodi Cánavas, Almagesto mediando cultura (Argentina)

–       Ursula Rucker, AGECULTURA Asociación de Gestores Culturales de la República Argentina

–       (Argentina)

–       Claudia Chiappino, AGECULTURA Asociación de Gestores Culturales de la República Argentina (Argentina)

–       Rubens Bayardo, Universidad General de San Martín (Argentina)

–       Ruby Grisales, Red de Gestores del Valle del Cauca, Universidad del Valle (Colombia)

–       Ignacio Ojeda, Red de Gestores Culturales de Colombia (Colombia)

–       Carlos Yánez Canal, Universidad Nacional de Colombia.

–       Roberto Guerra Veas, Escuela de Gestores y Animadores Culturales, EGAC (Chile)

–       Rafael Morales Astola, Federación Estatal de Asociaciones de Gestores Culturales (España)

–       José Ramón Insa Alba, Red INTERLOCAL (España)

–       José Luis Mariscal Orozco, Universidad de Guadalajara (México)

–       María del Carmen Valenzuela Gómez, Universidad de Guadalajara (México)

–       Sergio Machín, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       Rinela Camejo, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       José Luis García, Cooperativa Traful (Uruguay)

–       Marina Chávez, Festival de las Artes, Sucre (Bolivia)

–       Gonzalo Ordóñez, ArsInventing, Cochabamba (Bolivia)

–       Rosario Ríos, Maquilishuat (El Salvador)

–       Santiago Nogales, Maquilishuat (El Salvador)

–       Antonio Albino Canelas Rubim, Universidad Federal de Bahía (Brasil)

Junta Directiva

Roberto Guerra Veas – Presidente

Ursula Rucker – Secretaria General

José Luis Mariscal Orozco – Coordinador General de Nodos

Coordinadores Nodos

Investigación: Antonio Albino Canelas Rubim.

Formación: Ruby Grisales y Carmen Valenzuela.

Movilidad:

Comunicación y Relaciones Institucionales: Sergio Machín Cauda, Ignacio Ojeda Benítez y Florencia Parodi Cánavas.

Se firma en el Municipio de Maldonado, Uruguay, el domingo 12 de setiembre de 2010

Resoluções da 1ª Conferência de Comunicação Social da Bahia

julho 16, 2009

 

Eixo 1: Políticas Públicas de Comunicação

TESE CENTRAL

Implantação de políticas públicas que garantam a comunicação democrática, universal, participativa e inclusiva, por meio de investimentos públicos no funcionamento, interface e desenvolvimento do setor, enfatizando prioritariamente a sociedade civil e seus grupos sociais representativos, por financiamentos ou políticas públicas para o desenvolvimento do setor.

1. Regulamentar e implantar o Conselho Estadual de Comunicação, garantindo a participação democrática e representativa dos diversos segmentos sociais e territoriais, com um fundo próprio.

2.         Criar a Secretaria de Comunicação Social na estrutura administrativa da Bahia, com projeto de lei encaminhado à Assembléia Legislativa da Bahia.

3.         Estimular a reformulação, pelo Congresso Nacional, da legislação de radiodifusão comunitária, para desburocratizar os trâmites legais e, democratizando o acesso, com a participação ativa e efetiva da comunidade, garantindo as autorizações de rádio comunitária em povos e comunidades tradicionais (quilombolas, indígenas, ribeirinhos e outros).

4. Apoiar a regulamentação, pelo Congresso Nacional, do artigo 221 da Constituição Federal, garantindo o percentual mínimo de 30% de produção regional editado, produzido, realizado, veiculado e distribuído pela comunidade, contemplando os diversos segmentos e diversidades étnico-racial, de gênero, cultura e religião.

5.         Alterar a política de investimento da verba governamental na área de comunicação, assegurando a publicização, por meio de projeto de lei (se necessário) amplamente debatido pela sociedade, estabelecendo critérios de investimento, financiamento e fortalecimento dos mecanismos de fiscalização, por meio dos conselhos estadual, territoriais e comitês locais, a serem criados, emanados da sociedade civil, abrangendo a diversidade de meios e veículos públicos e privados, bem como promover o financiamento para manutenção e criação de veículos comunitários, alternativos e outros, via editais públicos, com apresentação de projetos.

6.         Implantar uma rede pública de comunicação (TV, rádio, internet e outros) em todo o Estado, a partir de um amplo debate popular, garantindo a participação social na gestão e na programação, assegurando a autonomia do seu financiamento, de forma que sua independência editorial seja respeitada, incorporando conteúdo produzido de maneira diversa e independente, assegurando a todos os territórios núcleos de gestão, produção e circulação pública, com ênfase na programação cultural territorial.

7.         Promover a formação, qualificação e a requalificação dos profissionais nas áreas de comunicação comercial e comunitárias, ampliando as oportunidades de acesso ao mercado de trabalho.

Eixo 2. Comunicação e Desenvolvimento Territorial

TESE CENTRAL

Democratização dos instrumentos, meios e gestão da comunicação (produção, veiculação e recepção) a partir de diversos segmentos populares, descentralizando-os geograficamente e respeitando a pluralidade étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa e pessoa com deficiência existente em cada território, fomentando os meios de comunicação alternativos, a criação de veículos diversos, de fácil acesso, com estímulo à produção independente, abrangendo todos os públicos como solução prática à distribuição de informação e, sobretudo, à fomentação de práticas de comunicação que gerem participação nas diferentes etapas do processo midiático.

2.         Criar e apoiar financeiramente os Conselhos Territoriais de Comunicação e os Comitês Municipais que tenham um formato democrático, participativo e representativo dos segmentos sociais nos territórios (diversidades étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa, pessoa com deficiência). Esses Conselhos estarão vinculados e articulados ao Conselho Estadual de Comunicação.

3.         Apoiar, implantar e fornecer infra-estrutura às rádios e TVs universitárias e comunitárias, em parceria com as Secretarias de Educação e de Ciência e Tecnologia, garantindo as condições técnicas e financeiras e sinal suficiente para que estes veículos contemplem as populações das diversas regiões. Bem como implantar os Centros Digitais de Cidadania, com apoio das universidades.

4.         Implantar uma política democrática de investimento, financiamento, subsídios fiscais e fundos para projetos de comunicação nos diversos setores sociais, aproximando a sociedade civil das universidades, com publicação de editais e apresentação de projetos.

5.         Formar, qualificar e ampliar, nos territórios, os serviços prestados nos centros digitais de cidadania, instalando e capacitando-os de acordo com as demandas e aspectos territoriais, de modo a contemplar as comunidades urbanas, rurais, indígenas, quilombolas, grupos culturais e religiosos, idosos e pessoas com deficiência, promovendo a inclusão digital com ações educativas.

6.         Implantar uma política de ampliação e modernização da infra-estrutura de comunicação do Estado (rádio, tv, internet, outros), fazendo com que os sinais de recepção, emissão e meios impressos, cheguem aos municípios, estimulando a produção local, garantindo, no mínimo 30% da produção a todos os segmentos da sociedade e possibilitando a veiculação pelo Estado, a partir do sistema público de comunicação.

Eixo 3: Comunicação e Educação

TESE CENTRAL

Democratização do acesso às novas tecnologias de informação e comunicação de forma livre, responsável e ética com a implantação, ampliação e fortalecimento de centros de criação, produção e exibição multimídia, orientados por profissionais da comunicação e educadores da própria comunidade que estejam ligados a outros espaços públicos comunitários (escolas, por exemplo) em comunidades populares dos centros urbanos e rurais, contemplando as distintas faixas etárias (crianças, adolescentes, adultos e idosos) e diversidades étnico-racial, de gênero, cultural, religiosa, pessoa com deficiência. Para tanto é necessária a ampliação do financiamento público para a aquisição de equipamentos multimídias para a população, principalmente a de baixa renda, e a criação de incentivos fiscais para projetos que possibilitem necessárias mudanças, entre outras, no sistema de educação com a inserção, inicialmente, de disciplina de Comunicação em diferentes níveis (fundamental, médio e superior) adequando-a ao novo contexto de sociedade do saber e da informação, levando em consideração metodologias que articulam cidadania e novas tecnologias como educomunicação, educação pela comunicação, educação à distância, etc, e implantar TVs por linha modular.

1.         Implantar políticas públicas que estimulem a veiculação em todos os meios de comunicação, de aulas voltadas para o combate ao analfabetismo, ao racismo, a homofobia, intolerância religiosa e todas as formas de discriminação transcendendo a instituição escolar e voltadas para a pluralidade cultural.

2.         Criar programas de formação em Educomunicação e Novas TIC´s, nas instâncias presencial e à distância, para professores e multiplicadores com a implementação de laboratórios de produção e meios de comunicação, por meio de núcleos no estado da Bahia, valorizando as múltiplas identidades regionais, envolvendo métodos educacionais que estimulem a leitura crítica da mídia, a aproximação das escola/universidades de mídias comunitárias, objetivando consolidar os programas de democratização da comunicação na Bahia, a partir das escolas públicas.

3.         Apoiar e financiar os projetos de caráter educativo, de autoria de alunos, professores e organizações não-governamentais que visem a democratização da comunicação no âmbito escolar, ampliando e consolidando as tecnologias em comunicação pública do Estado, a exemplo da TV Anísio Teixeira, TV’s e rádios educativas e comunitárias e portal de internet, e financiamento de TVs por linha modular por órgão público competente.

4.         Criar políticas públicas de incentivo e fomento para ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Comunicação e Educação, na Educação Formal – do básico à pós-graduação (em cursos com afinidade ao tema); e na Educação não formal – capacitação de agentes comunitários, grupos de agricultores familiares, quilombolas e indígenas e diversos movimentos sociais.

5.         Implantar as disciplinas de comunicação e tecnologia no currículo básico do ensino fundamental e médio, criando a função pública do educador em comunicação e inclusão sócio-digital, potencializando o uso dos equipamentos e software livre nas escolas urbanas, do campo e nos infocentros.

Eixo 4: Cidadania e Novas Tecnologias da Informação e Comunicação – TIC’s

TESE CENTRAL

A Inclusão Sócio-Digital é, hoje, um aspecto fundamental na construção da cidadania em nosso país, assim como a consolidação da democracia, tendo em vista a natureza dos novos espaços públicos midiatizados. O Estado deve ter como objetivo a difusão e democratização dos conceitos básicos de comunicação e informação, implantando, entre outras ações, centros de inclusão digital comunitários, com gestão colegiada, garantindo o acesso e o domínio das tecnologias e do Canal Cidadania no processo de popularização e apropriação da sociedade em torno da convergência digital, com uso de software livre possibilitando a construção de uma cidadania integrada entre meio, instrumentos, processos e gestão das novas mídias da informação e comunicação.

1.  Criação de programa de universalização de acesso e centro tecnológico de uso social das novas tecnologias, tendo como finalidade a elaboração de projetos integrados às escolas, escolas comunitárias, universidades e outros setores da sociedade civil, para reforçar a cidadania e o desenvolvimento de territórios democráticos com auxílio dos novos meios.

1.         Garantir e ampliar, com qualidade, o acesso à banda larga e rede sem fio e às tecnologias de comunicação (telefonia móvel e fixa, TV e rádio de linha modular, internet) para todos os municípios do estado da Bahia de forma igualitária e de baixo custo, incentivando o acesso gratuito à banda larga, trazendo novas empresas de telecomunicações para promover a livre concorrência, redução dos preços das telefonias fixa, móveis e internet banda larga.

2.         Criar Centro Digital de Cidadania fixo e móvel, com equipamentos multimídia para incentivar as tecnologias nacionais e fomentar software livre em espaços sócio-educativos nos territórios, igualitariamente, priorizando as comunidades carentes de bairros periféricos.

3.         Criar fundo estadual de incentivo à produção de comunicação e financiar equipamentos, produzidos na Bahia, com incentivos fiscais para associações de moradores e agricultores familiares, movimentos sociais e rádios comunitárias.

Transformar e adequar os atuais Infocentros, Telecentros e Centros Digitais de Cidadania – CDC’s – e instituições do gênero, fixos e móveis, em uma Rede de Comunicação Pública Comunitária, multidisciplinar (educação, comunicação, cultura, arte, informática etc), estabelecida em cada comunidade/município, voltada para a produção de comunicação local (digital e analógica), disponibilizando o acesso à internet banda larga, equipamentos e estúdios para produção sonora e audiovisual, utilizando prioritariamente software livre e tecnologia nacional. O financiamento e o custeio desta Rede é de responsabilidade do Estado, com abertura para investimento privado, e sua gestão deve ser compartilhada com a comunidade. O material produzido na rede deve ser veiculado e disponibilizado em portal criado para essa finalidade, bem como em veículos comunitários, universitários e públicos, garantindo a diversidade de gênero e étnico racial, religiosa, e educação ambiental, considerando-se a necessidade dos pré-requisitos legais garantidos na sua constituição.

Legislação Histórica – Regulação e Fiscalização da Atividade Artística

julho 16, 2009

 

A quem possa interessar estou enviando Decreto da época de Afonso Pena que me parece ser um dos primeiros instrumentos jurídicos de regulação da atividade artística.

Abraços,

Rodrigo Vieira

DECRETO N. 6562 – DE 16 DE JULHO DE 1907

Approva o regulamento para a inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal.

O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil, em conformidade do disposto no art. 9º do decreto n. 1631, de 3 de janeiro do corrente anno, resolve approvar, para a inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal, regulamento que a este acompanha, assignado pelo Ministro de Estado da Justiça e Negocios Interiores.

Rio de Janeiro, 16 de julho de 1907, 19º da Republica.

Affonso augusto moreira penna.

Augusto Tavares de Lyra.

Regulamento para a Inspecção dos theatros e outras casas de diversões publicas no Districto Federal, a que se refere o decreto n. 6562, desta data

CAPITULO I

DAS CASAS DE ESPECTACULOS EM GERAL

Art. 1º Nenhuma casa destinada a espectaculos ou divertimentos publicos terá licença do Chefe de Policia para funccionar sem verificação prévia, mediante vistoria, das condições de segurança hygiene e commodidade publicas.

Art. 2º Em todas as casas de espectaculos ou divertimentos publicos serão rigorosamente observadas, pelos emprezarios ou responsaveis, as seguintes disposições, além das que forem privativas da Prefeitura Municipal.

§ 1º Todos os logares destinados ao publico terão facil communicação com as portas de sahida, que deverão abrir e estar promptas a ser franqueadas rapidamente, em caso de panico ou incendio.

§ 2º Os corredores e mais dependencias, que servirem de passagem, conservar-se-hão livres de grades, cadeiras e quaesquer outros objectos que possam impedir o transito.

§ 3º Nenhuma alteração poderá ser feita nas divisões internas, quer no palco quer na sala e em outras dependencias, sem prévia autorização do Chefe de Policia, a quem deverá ser entregue o plano ou o projecto da modificação.

§ 4º A illuminação geral ou supplementar será a gaz ou electricidade.

§ 5º Os combustores de gaz, fixos ou volantes, ficarão encerrados em lanternas ou guarnecidos de telas de arame.

§ 6º Haverá um empregado incumbido exclusivamente de fiscalizar durante o espectaculo toda a illuminação geral ou supplementar.

§ 7º O edificio deverá ser illuminado uma hora antes da marcada no programma do espectaculo e assim permanecerá até a sahida do publico e da autoridade policial.

§ 8º Em caso de panico ou de incendio, sómente será apagada a illuminação por ordem da autoridade policial ou do commandante da turma de bombeiros de serviço.

§ 9º Haverá um registro privativo da turma de bombeiros, não sendo permittido o funccionamento da casa que o não tiver.

§ 10. Os machinismos e scenarios deverão ser collocados na caixa do palco, de modo a não embaraçarem o serviço de bombeiros em caso de sinistro.

§ 11. No palco e suas dependencias apenas serão guardados os machinismos e scenarios indispensaveis a cinco espectaculos no maximo, devendo o excedente ser depositado em logar separado do edificio.

§ 12. Os scenarios, os forros de papel, e os objectos de facil combustão, as buchas de armas de fogo e os artefactos pyrotechnicos serão tornados incombustiveis pelos processos chimicos adoptados.

§ 13. O uso de qualquer arma de fogo dependerá de prévio exame e consentimento da autoridade que presidir ao espectaculo.

§ 14. A lotação dos camarotes, frizas, platéa, varandas, galerias e archibancadas será marcada pelo Chefe de Policia, não podendo ser alterada sem licença expressa do mesmo.

§ 15. Serão fixas as cadeiras e archibancadas, que se destinem ao publico, exceptuando os logares de camarotes ou frizas.

§ 16. As cadeiras da platéa terão declive conveniente; a fórma de poltronas; 45 centimetros, pelo menos, de largura nos assentos e o espaço de 60 centimetros, no minimo, entre as respectivas filas; podendo o Chefe de Policia estabelecer um prazo razoavel para a fiel execução desta providencia nos theatros desta Capital.

§ 17. Os camarotes, frizas, varandas, platéa, galerias e archibancadas serão numerados.

§ 18. Não será permittida, sob qualquer pretexto, a venda de entradas para os diversos logares que excedam á lotação do theatro e bem assim fóra da bilheteria ou das agencias especiaes da empreza.

§ 19. Haverá para a autoridade incumbida de presidir ao espetaculo um camarote, proximo ao palco e de facil communicação com os diversos logares occupados pelo publico. No camarote destinado á policia sómente poderão ter ingresso o Chefe de Policia, os delegados auxiliares, o delegado do respectivo districto ou o supplente encarregado de presidir ao espectaculo.

§ 20. A porta de communicação para a caixa do palco deverá conservar-se fechada durante o espetaculo, havendo uma chave para uso privativo da autoridade policial.

§ 21. Na caixa do palco sómente será permittido o ingresso ás pessoas que obtiverem permissão do respectivo emprezario, e independente della ás autoridades policiaes em exercicio.

§ 22. Não será permittida a representação de qualquer peça que offenda ás instituições nacionaes ou de paiz estrangeiro, seus representante ou agentes, aos bons costumes e á decencia publica, ou que contenha allusões aggressivas a determinadas pessoas.

§ 23. Não será tambem permittida a execução de canto, musica, pantomima, peça declamatoria ou qualquer outra que não constar do programma.

§ 24. Ninguem poderá fumar nos camarotes, frizas, corredores, bastidores, no palco ou em qualquer outro logar da sala de espectaculos, salvo os artistas, quando no desempenho de seus papeis.

§ 25. Haverá exclusivamente para as senhoras um vestiario e sala de toilette, conservado com o maximo asseio e servido por pessoal idoneo.< /p>

§ 26. Haverá tambem em logares convenientes, para uso dos demais espectaculos, numero sufficiente de installações sanitarias.

§ 27. As emprezas theatraes são obrigadas a ter sempre um medico de serviço durante as representações.

§ 28. Não será permittido annunciar em voz alta, dentro do theatro, programmas, librettos, flores, ou qualquer outro objecto á venda.

§ 29. As casas de espectaculos ou divertimentos publicos terão communicação telephonica directa com a Policia Central e com o Corpo de Bombeiros.

§ 30. E’ expressamente prohibida a exploração de qualquer jogo de azar nas casas de espectaculos ou divertimentos publicos, ou mesmo nas suas dependencias.

Art. 3º Nenhuma licença será concedida para a execução de qualquer peça theatral sem que fique verificado, desde que os autores preencham as condições do art. 13 da lei n. 496, de 1 de agosto de 1898:

§ 1º Si peça é original ou traducção;

§ 2º No segundo caso, si a traducção é autorizada;

§ 3º Si os traductores são nacionaes ou estrangeiros residentes no Brazil;

§ 4º Si contém qualquer alteração do texto original.

Paragrapho unico. As autorizações devem constar de documento escripto.

Art. 4º Quando as traducções forem feitas por estrangeiros não residentes no Brazil e não tenham sido autorizadas expressamente, ou quando, tanto originaes como traducções, apresentarem quaesquer alterações não autorizadas pelo autor, a licença será recusada.

CAPITULO II

DOS EMPREZARIOS OU DIRECTORES DE COMPANHIAS E SEUS EMPREGADOS

Art. 5º Todos os emprezarios ou directores de companhias são especialmente obrigados:

§ 1º A requerer a necessaria licença para os espectaculos, declarando a natureza de sua companhia, logar em que vae funccionar e nomes dos artistas, contractados ou não.

§ 2º A communicar ao 2º delegado auxiliar, com antecedencia de 24 horas, a realização do primeiro ensaio e a do ensaio geral da peça que pretendem representar.

§ 3º A enviar á mesma autoridade e com igual antecedencia dous exemplares identicos, impressos, lithographados, ou manuscriptos, do programma do espectaculo, um dos quaes, depois de approvado e visado, ser-lhes-ha restituido, afim de ser exhibido á autoridade que presidir ao espetaculo, ficando o outro archivado.

§ 4º A annunciar, por meio de cartazes affixados á porta e pela imprensa, o programma approvado, que deverá ser fielmente executado, não podendo transferir o espectaculo, nem alteral-o, sem prévia autorização do Chefe de Policia ou do respectivo delegado auxiliar.

§ 5º A dar começo ao espectaculo, diurno ou nocturno, impreterivelmente á hora marcada no programma; devendo o primeiro terminar até ás 6 horas da tarde e o segundo até meia noite, salvo licença expressa da autoridade que a elle presidir para prolongar-se além daquelles prazos.

§ 6º A avisar ao publico por meio de cartazes, si não houver tempo de annunciar pela imprensa, da autorização da transferencia do espetaculo, declarando sempre o motivo.

§ 7º A publicar por meio de cartazes affixados no vestibulo e declaração feita do palco pelo contra-regra qualquer das occurrencias do paragrapho anterior, depois de resolvida pela autoridade.

§ 8º A permanecer na casa durante o espetaculo para receber os avisos e intimações da autoridade e responder pela observancia estricta deste Regulamento, fazendo-se representar na sua ausencia por pessoa idonea, cujo nome será indicado á mesma autoridade.

§ 9º A publicar em cartaz affixado á porta e pela imprensa, no começo de cada serie de espectaculos, a tabella dos preços dos differentes logares destinados ao publico, não podendo alteral-a.

§ 10. A mandar effectuar na bilheteria a venda das differentes entradas pelo menos duas horas antes do espetaculo; sendo-lhes, todavia, permittido estabelecer, onde lhes convier, agencias para aquelle fim;

§ 11. A entregar senhas aos espectadores que sahirem durante a representação ou seus intervallos.

§ 12. A providenciar para que os intervallos ou entreactos não excedam de 15 minutos, salvo concessão especial, a juizo da autoridade que presidir ao espetaculo.

§ 13. A remetter ao 2º delegado auxiliar cinco entradas geraes, sem qualquer signal ou indicação particular, afim de serem distribuidas a agentes de segurança publica.

§ 14. A providenciar sobre a regularidade dos serviços internos, asseio do edificio, boa ordem e moralidade na caixa do palco, quer nos espetaculos, quer durante os ensaios.

Art. 6º São obrigações dos empregados de movimento e porteiros:

1º Abrir todas as portas de sahida cinco minutos antes de terminar o espectaculo ou logo que se manifeste panico ou incendio.

2º Tratar os espectadores com toda a urbanidade, communicando á autoridade as divergencias que occorrerem.

CAPITULO III

DOS ARTISTAS

Art. 7º Os artistas e mais figurantes são especialmente obrigados:

§ 1º A desempenhar o serviço para que se houverem contractado, verbalmente ou por escripto, salvo o caso de enfermidade devidamente attestada, nojo por fallecimento de conjuges, paes ou filhos, e falta de recebimento de seus vencimentos.

§ 2º a interpretar fielmente, nos seus papeis, o texto da peça, abstendo-se de fazer accrescimos ou suppressões que desvirtuem o pensamento dos autores.

Art. 8º Aos professores que compuzerem a orchestra ou banda de musica são applicaveis as disposições do § 1º do artigo anterior.

CAPITULO IV

DOS ESPECTADORES

Art. 9º Os espectadores deverão:

§ 1º Não incommodar quem quer que seja durante o espetaculo, nem perturbar os artistas durante a representação, salvo o direito de applaudir ou reprovar; não podendo, em caso algum, arrojar á caixa do palco objectos que molestem as pessoas, nem fazer motim, assuada ou tumulto com gritos, assobios ou outros quaesquer actos que interrompam o espectaculo ou sejam contrarios á ordem, socego e decencia no recinto do edificio.

§ 2º Não receitar ou declamar de qualquer modo peça ou discurso, nem distribuir no recinto manuscriptos, impressos, gravuras, photographias ou desenhos, sem prévia licença da autoridade que presidir ao espectaculo, a quem será entregue uma cópia ou exemplar pelo autor ou editor responsavel.

§ 3º Conservar-se sempre descobertos no recinto dos camarotes e frizas e nos logares da sala durante a representação.

4º Occupar os logares indicados pelos numeros das entradas.

§ 5º Não pedir execução de qualquer peça, canto ou musica e recitação que não faça parte do programma.

Art. 10. Os espectadores teem direito ao espectaculo annunciado e podem exigir a restituição do preço pago pelos seus bilhetes, desde que esse espectaculo tenha sido transferido, modificado ou mesmo quando um dos artistas inscriptos se ache impedido de figurar.

Paragrapho unico. Todavia, aquelle que penetrar na sala de espectaculo, apezar do aviso affixado, ou depois da declaração, publicamente feita pelo emprezario, de haver sido alterado o programma ou substituido um artista, considera-se como tendo dado o seu consentimento, sem direito á restituição.

CAPÍTULO V

DO POLICIAMENTO

Art. 11. A inspecção geral das casas de espectaculos ou divertimentos publicos, compete ao Chefe de Policia, que a exercerá individualmente ou por intermedio do 2º delegado auxiliar.

Art. 12. A’ autoridade incumbida da presidencia do espectaculo ou divertimento publico compete:

§ 1º Assistir aos espectaculos ou divertimentos, devendo comparecer antes de começarem os mesmos e retirar-se depois que o publico tiver sahido.

§ 2º Requisitar a força civil ou militar necessaria á manutenção da ordem e fazer a sua distribuição pelo modo mais conveniente á segurança do publico.

§ 3º Instruir a força, que ficará inteiramente á sua disposição e que só em cumprimento de suas determinações poderá agir.

§ 4º Providenciar sobre a entrada e sahida do publico, de sorte a evitar os embaraços, mandando verificar si as communicações internas guardam o disposto nos §§ 1º e 2º do art. 2º deste regulamento.

§ 5º Mandar expedir do recinto ou prender os espectadores que se portarem de modo inconveniente, fazendo apresentar ás delegacias respectivas os que forem presos em flagrante delicto.

§ 6º Obrigar os emprezarios ou directores a realizarem os seus espectaculos ou divertimentos annunciados, por diminuto que seja o numero de espectadores, salvo acquiescencia da maioria destes ultimos.

§ 7º Reclamar silencio quando for perturbada a ordem publica ou do espectaculo, por excesso das exclamações a que se refere o § 1º do art. 9º deste regulamento.

§ 8º Mandar terminar o espectaculo ou divertimento e evacuar o recinto pela força quando não conseguir restabelecer absolutamente a ordem.

§ 9º Fazer baixar o panno quando a representação se tornar causa de alguma perturbação da ordem.

§ 10. Prohibir que sejam chamadas ao proscenio pessoas estranhas á representação.

§ 11. Intervir conciliatoriamente nas questões que surgirem durante o espectaculo entre o pessoal da companhia.

§ 12. Fiscalizar a redacção dos annuncios feitos nos pannos do proscenio e em outras dependencias do edificio.

§ 13. Communicar immediatamente á Policia Central a transgressão de que resultar crime ou quando algum chegar ao seu conhecimento, prendendo quem o houver praticado e se achar no recinto do edificio.

§ 14. Fazer abrir, findo o espectaculo, todas as portas de sahida.

§ 15. Mandar depositar na Policia Central os objectos esquecidos pelo publico.

§ 16. Levar ao conhecimento do Chefe de Policia ou do 2º delegado auxiliar a transferencia, modificação de programma, substituição de artistas e qualquer outra irregularidade occorrida durante o espectaculo ou divertimento, com informação dos motivos determinados e das providencias tomadas, cumprindo-lhe agir da mesma fórma quando se tenha verificado a inobservancia de alguma das disposições contidas no art. 2º deste regulamento.

Art. 13. A força militar ou civil escalada para o serviço tem por dever:

§ 1º Apresentar á autoridade, não podendo retirar-se antes de findar o espectaculo e sem a necessaria dispensa.

§ 2º Communicar á autoridade todas as irregularidades ou factos que notar ou vierem ao seu conhecimento.

§ 3º Fazer cumprir as disposições do art. 2º, § 24 e art. 9º, § 1º a 5º, deste regulamento.

Art. 14. A’ turma de bombeiros de serviço cumpre:

§ 1º Apresentar-se á autoridade, por intermedio de seu chefe, obedecer ás suas ordens e reclamar-lhe as providencias necessarias ao serviço.

§ 2º Não se retirar de seus postos durante o espectaculo e, findo este, revistar o edificio para que não fique accesa alguma luz ou fogo que possa offerecer perigo.

CAPITULO VI

DISPOSIÇÕES GERAES

Art. 15. Nas praças destinadas a corridas de touros, garraios, novilhos e outro gado, serão particularmente observadas as seguintes disposições:

§ 1º Nenhuma corrida será permittida sem verificação prévia da habilitação dos artistas que houverem de trabalhar; devendo os toureiros, cuja pericia não seja conhecida, provar o exercicio dessa profissão por dous annos, no minimo, e os amadores apresentar attestado de sua aptidão, firmado por tres ou mais peritos na arte.

§ 2º Além da habilitação exigida no paragrapho anterior, a autoridade ordenará tambem uma verificação das condições de vigor e robustez dos touros que deverão ser lidados e dos cavallos a empregar nos trabalhos.

§ 3º O programma deverá sempre indicar claramente as pessoas que tomarão parte nelle, o genero de trabalho de cada uma e demais condições do espectaculo, sendo o emprezario ou seu representante obrigado a prestar todos os esclarecimentos que lhe forem pedidos pela autoridade.

§ 4º Só depois de approvado e visado pelo chefe de Policia ou 2º delegado auxiliar, poderá ser publicado o programma de qualquer corrida, não sendo permittido aos emprezarios annunciar os seus espectaculos por meio de bandos percorrendo as ruas da cidade.

§ 5º O gado destinado á corrida deverá ser conduzido com as devidas precauções até a praça respectiva, onde ficará em logar apropriado e seguro, devendo a autoridade ordenar as providencias que julgar necessarias.

§ 6º Sómente poderá ser lidados os touros depois da conveniente embolação, devendo ser immediatamente retirados da arena os que, por um accidente qualquer, ficarem desembolados.

§ 7º Não são permittidas as pégas.

§ 8º Não será permittido o uso de garrochas de fogo, picar á vara longa e qualquer innovação tornando o divertimento barbaro ou cruel.

§ 9º Não poderão ser novamente lidados os touros cujas feridas não se achem de todo cicatrizadas.

§ 10. Os espectadores não poderão saltar á praças ou a trincheira falsa antes de findar a corrida, nem arremessar á arena e suas dependencias objectos que possam embaraçar a lide ou prejudicar as pessoas ou o gado.

§ 11. A autoridade que presidir ao espectaculo poderá ordenar as providencias que julgar necessarias, não só para fazer cumprir este regulamento e mais disposições vigentes, como para evitar qualquer desastre ou diminuir os perigos dos trabalhos.

Art. 16. A’s praças de touros, que funccionarão sómente durante o dia, serão ainda applicaveis, em seus devidos termos, todas as disposições deste regulamento prescriptas nos capitulos anteriores para as demais casas de divertimentos, com excepção apenas dos paragraphos 10 a 13; 16, 20 a 24 do art. 2º; paragrapho 3º do art. 5º; paragrapho 2º do art. 7º; paragraphos 3º e 5º do art. 9º.

Art. 17. As companhias equestres, de acrobacia, de prestidigitação que trabalharem nas casas de espectaculos, ficarão sujeitas a todas as disposições deste regulamento.

§ 1º Quando funccionarem, nos diversos districtos policiaes, em circos armados, os emprezarios ou directores respectivos observarão as medidas de segurança, hygiene, commodidade e ordem publica estabelecidas nos arts. 1º e 2º; e seus espectaculos será inspeccionados pelos commissarios do districto, a quem o delegado dará as necessarias instrucções.

§ 2º Fica prohibido em espectaculos publicos utilizar crianças menores de doze annos em exercicios acrobaticos, equestres ou gymnasticos.

§ 3º A’ autoridade cumprirá estabelecer as condições exigiveis na pratica das sortes de acrobacia em que haja perigo manifesto e immediato para a vida humana.

Art. 18. Os cafés-concertos, clubs, sociedades recreativas e outros estabelecimentos congeneres serão igualmente inspeccionados pela autoridade policial, observadas as disposições deste regulamento e mantidas quanto aos primeiros as disposições do art. 247 do regulamento approvado pelo decreto n. 6440, de 30 de março de 1907.

Art. 19. Os prados destinados a corridas de cavallos ficam subordinados ás medidas policiaes que lhes forem applicaveis neste regulamento.

§ 1º Nenhuma autoridade policial poderá tomar parte ou intervir directa ou indirectamente nas apostas ou nas operações relativas á venda de poules, que correrá sob a exclusiva responsabilidade das sociedades sportivas, assim como a deliberação sobre o resultado dos pareos.

§ 2º No caso de protesto collectivo que determine grave perturbação de ordem, a autoridade policial que presidir ao sport poderá suspender as corridas, justificando sempre o seu proceder em officio dirigido ao 2º delegado auxiliar.

CAPITULO VII

DISPOSIÇÕES PENAES

Art. 20. A inobservancia das disposições contidas nos arts. 1ºs 2º e seus paragraphos será punida com a multa de 100$ a 200$ sem prejuizo da prohibição ou suspensão do espectaculo nos caso previstos.

Art. 21. A inobservancia das disposições contidas no art. 5º e seus paragraphos e no capitulo VI será punida com as mesmas multas.

Art. 22. A inobservancia das disposições contidas nos arts. 7º, 9º e seus paragraphos será punida com a multa de 50$ a 100$000.

Art. 23. As infracções deste Regulamento para as quaes não houver penalidade expressa serão punidas com a pena de desobediencia, na fórma do art. 135, paragrapho unico, do Codigo Penal, além das mais em que incorrerem os infractores.

Art. 24. As multas serão impostas pelo Chefe de Policia ou pelo 2º delegado auxiliar, mediante representação da autoridade que presidir ao espectaculo, e cobradas judicialmente, no caso de recusa do pagamento.

Paragrapho unico. O producto das multas será arrecadado como renda eventual da Policia e recolhido á respectiva thesouraria.

Art. 25. O Chefe de Policia poderá prohibir temporaria ou definitivamente o funccionamento de qualquer casa de espectaculos, club ou sociedade recreativa que infringir as disposições deste regulamento, ou quando assim julgar conveniente, em beneficio da ordem, segurança e moralidade publicas.

Art. 26. Revogam-se as disposições em contrario.

Rio de Janeiro, 16 de julho de 1907.

ANÍSIO TEIXEIRA E A CULTURA

julho 16, 2009

Texto lido durante a Sessão Especial do Conselho de Cultura do Estado da Bahia, em 27/7/2004:

João Augusto de Lima Rocha

A forma como a questão da cultura se apresenta na obra de Anísio Teixeira está naturalmente imbricada em sua concepção de escola pública, que foi a maior das contribuições que ele nos legou. É uma concepção que evolui, desde o momento em que, ainda muito jovem, torna-se Inspetor Geral do Ensino da Bahia, em 1924, escolhido pelo Governador Francisco Marques de Góes Calmon, até o momento em que é levado a aposentar-se compulsoriamente do serviço público, em 1964.
De 1964 a 1971, ano em que desaparece, sua presença ainda continuou forte, como a principal referência nacional na luta pela escola pública universal e gratuita em nosso país.
Essa luta é fruto de um movimento que liderou, junto com Fernando de Azevedo, e que resultou, em 1932, no Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, assinado pelos intelectuais nacionais de maior destaque naquele tempo, que reflete um conjunto de iniciativas de renovação educacional que começam a ser gestadas e aplicadas no correr da década de 1920. São iniciativas, na verdade, coerentes com a conjuntura política pré-Revolução de 1930.
Da mesma forma, o processo de renovação da universidade brasileira recebe o seu primeiro impulso com a criação da Universidade do Distrito Federal, no Rio de Janeiro, em 1935. É quase certo que a criação da USP um pouco antes, em 1934, esteja no bojo desse mesmo movimento, haja vista que Fernando de Azevedo, o principal planejador educacional de São Paulo, ao se afastar da direção da educação do Rio de Janeiro, para comandar a educação paulista, no ano de 1931, deixou-a entregue a Anísio, tudo levando a crer que atuavam em sintonia.
A Universidade do Distrito Federal sucumbe quase no nascedouro, enfraquecida após o afastamento de Anísio da direção da educação carioca, no mesmo ano em que fora instalada, 1935. Já a USP, remando nas águas renovadoras da pujante economia paulista, conseguiu impulso para manter-se viva e atuante até hoje.
A concepção de universidade pela qual Anísio pugnou, talvez seja um dos pontos altos da conexão entre educação e cultura em sua obra. Estudou a fundo a evolução da instituição universitária, desde os primórdios, na Idade Média e, além disso, pesquisou toda a nossa história, desde os tempos do Brasil Colônia, para chegar a uma conclusão sobre o que caberia ser aqui aplicado. Para ele, o desafio seria abandonarmos a concepção de ensino superior centrado nas escolas isoladas, orientadas puramente para a formação profissional, e chegarmos a uma universidade fundada na interpretação rigorosa do contexto cultural, que obedecesse aos impulsos e às exigências de uma nação que precisava se construir autonomamente. Sobre isso, afirma:
“Com efeito, a história de todos os países que floresceram e se desenvolveram é a história da sua cultura, e a história da sua cultura é, hoje, a história das suas universidades. Sempre a humanidade viveu utilizando a experiência do passado, mas essa experiência atingiu, nos tempos modernos, tamanha complexidade intelectual, que sem a existência das universidades grande parte dela se teria perdido e a outra parte nem chegaria a ser formulada.”
“É que nenhum país do mundo, até hoje, julgou possível construir uma cultura de baixo para cima, dos pés para a cabeça. Para haver ensino primário, é necessário que exista antes o secundário, e para que o secundário funcione é preciso que existam universidades.”
“A cultura brasileira se ressente, sobretudo, da falta de quadros regulares para a sua formação. Em países de tradição universitária, a cultura une, solidariza e coordena o pensamento e a ação. No Brasil a cultura isola, diferencia , separa. E isto por quê? Porque os processos para adquiri-la são pessoais e tão diversos, os esforços para desenvolvê-la tão hostilizados e tão difíceis, que o homem culto, à medida que se cultiva, mais se desenraíza, mais se afasta do meio comum, e mais se afirma nos exclusivismos e particularismos de sua luta pessoal pelo saber.”
Para que possamos ainda melhor aquilatar o significado cultural de Anísio, vejamos a síntese definitiva de Antonio Houaiss, contida no depoimento publicado no nosso livro Anísio em Movimento, organizado em 1992:
“Anísio Teixeira foi um profeta do saber, da cultura e da transformação social, sobretudo da transformação social. Foi um dos homens mais cultos deste país, mas ao mesmo tempo o menos exibicionista dos homens cultos deste país. Lembrem-se de que, num momento de ostracismo, a prática que ele desenvolveu foi a de um minerador, de um exportador, de um comerciante e de um tradutor de obras que ele achava relevantes.”
De fato, Anísio viveu um longo período de ostracismo, de 1935 a 1945, após ter sido obrigado a abandonar o cargo de Secretário da Educação e Cultura do Distrito Federal, no Governo Pedro Ernesto, e fugir das forças conservadores que o perseguiram, após o malogrado levante da Aliança Nacional Libertadora, em novembro de 1935, quando foi levado a pedir demissão. Do Rio vai a Buenos Aires, e depois volta, para se refugiar no interior da Bahia.
O lugar em que primeiro morou, na condição de refugiado, foi nos fundos da fazenda Bom Sucesso, na localidade chamada Cama de Varas, então parte do município de Itanhaçu, hoje Tanhaçu, segundo revela Euclides Neto, em artigo publicado n’A TARDE, em outubro de 1994.
Mais tarde, aos poucos saindo da clandestinidade, Anísio passa a comercializar dormentes para estradas de ferro, e termina a década em que atuou na iniciativa privada – no final de 1945 – como um bem sucedido comerciante, importador de material ferroviário e exportador de minérios.
Impedido de atuar na educação, no período 1935-45, Anísio não abandona completamente a atividade cultural, ao ocupar-se com traduções para a Companhia Editora Nacional, sob indicação de Monteiro Lobato, fiel amigo que conhecera nos Estados Unidos, quando para lá fora, em 1927, realizar pós-graduação na Universidade Columbia, em Nova Iorque.
Sobre essa fase em que atuou na iniciativa privada, diz o próprio Anísio, numa das raras ocasiões em que se ocupou de falar sobre si mesmo, na famosa entrevista concedida a Odorico Tavares, publicada no Diário de Notícias, da Bahia, em janeiro de 1952:
“Comerciante e industrial, fiz-me minerador e exportador, até 1945. Com uma filosofia que procura não distinguir pensamento de ação, achei a vida prática tão sedutora quanto a chamada vida intelectual. Foi uma bela ocasião de demonstrar a mim mesmo que vencera, realmente, os dualismos entre pensamento e ação, trabalho manual e intelectual, corpo e espírito, etc, etc.” 
Em 1946, Anísio aceita o convite de Julian Huxley, renomado cientista e filósofo britânico, e afasta-se dos negócios na Bahia, para participar do processo de organização da UNESCO, na condição de Conselheiro de Educação Superior. Imbuído da tarefa de montar a organização que se propunha a articular a cooperação cultural e educacional entre as nações, naquele esperançoso momento do pós-guerra, passa cerca de um ano entre Paris e Londres. Mas a experiência lhe traz um certo desencanto, conforme revela na entrevista a Odorico Tavares:
“Depressa vimos, porém, que mais uma vez, a vontade dos povos não se realizaria. A guerra fria que se iniciava, logo progrediu e a UNESCO, no fim do primeiro ano de trabalho, recolhia as asas que tentara estender, aprisionada em um orçamento menor do que o que iria gastar neste mesmo ano, em pesquisas atômicas, a pequenina Suiça.”
Após deixar a UNESCO, volta ao Brasil em 1947, para ocupar a Secretaria de Educação e Saúde, a convite de Otávio Mangabeira .
Inicia-se aí a mais longa e produtiva fase da vida pública de Anísio, na qual sua contribuição para a vida cultural brasileira iria se tornando cada vez mais relevante, até 1964. Ocupa vários cargos públicos, sucessivamente, de tal forma que se torna o principal formulador da política educacional e cultural brasileira, mesmo sem nunca ter ocupado o cargo de Ministro de Estado.
Nomeado Ernesto Simões Filho para Ministro da Educação e Cultura, em 1951, Anísio sai da Bahia para assessorá-lo. É nessa condição que participa, com Rômulo Almeida, do processo de organização da CAPES, então denominada Coordenação do Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, órgão que exerceu, e ainda exerce, papel fundamental na mudança do perfil da universidade brasileira, ao fortalecer a pós-graduação,  elevando assim a qualificação de docentes e técnicos universitários, para a participação em atividades de pesquisa. Organizada a CAPES, Anísio foi o seu primeiro secretário geral.
A partir de 1952, acumula esse cargo com o de diretor do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP), no qual iria promover, intensamente, a pesquisa educacional relacionada com as ciências, por ele denominadas, auxiliares da educação, a saber,  a sociologia, a antropologia e a psicologia. Além do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, que seria dirigido por Darcy Ribeiro, Anísio cria também os CRINEPs, Centros Regionais do INEP, chegando a instalá-los em cinco estados brasileiros, para que pudessem, de forma descentralizada, organizar e acompanhar o processo de aperfeiçoamento da administração escolar e da qualificação dos docentes, rumo à universalização da escola pública. Uma das grandes iniciativas de Anísio, no INEP, foi promover a edição de obras na área de Ciências Humanas, mediante a compra antecipada, pelo órgão, de metade dos exemplares editados. Isto permitiu a instalação de bibliotecas públicas na maioria dos municípios brasileiros, alimentadas, principalmente, pelos livros enviados pelo INEP. O alcance cultural dessa iniciativa foi impressionante, tanto por incentivar a produção de textos por autores brasileiros, quanto por permitir a realização de traduções importantes e incentivar amplamente o hábito da leitura e estudo em nosso país.
Com o crescimento da influência política de Anísio, alguns setores mais conservadores, particularmente da Igreja Católica, começaram a se movimentar para retirá-lo dos postos que ocupava na esfera federal. Um veemente pronunciamento feito pelo deputado Padre Fonseca da Silva, na Câmara Federal, em novembro de 1956, marca o lançamento público da investida conservadora pela desestabilização política de Anísio, que culmina em abril de 1958, quando o Arcebispo de Porto Alegre, D. Vicente Scherer, encaminha um memorial, subscrito pelos bispos gaúchos, ao Presidente Juscelino Kubitscheck, em que é solicitado, explicitamente, o afastamento do educador dos dois cargos que ocupava no Ministério da Educação e Cultura. A iniciativa dos bispos gaúchos colocou a Nação em grande efervescência, o que levou a questão da escola pública a ocupar, por longo tempo, os editoriais dos principais jornais do país. Anísio está, então, no auge de sua influência na vida nacional, pois, além dos cargos públicos, também atua na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a SBPC, cuja presidência ocupa durante o período 1955-59. A batalha termina com a vitória de Anísio, o Presidente Juscelino mantendo-o tanto na Secretaria Geral da CAPES quanto na direção do INEP. A propósito do episódio, convém registrar que o educador recebeu apoios em todas áreas mas, um deles, em particular, foi fundamental para garantir sua manutenção no Governo: o de D. Augusto Cardeal da Silva, Arcebispo Primaz do Brasil, fiel amigo desde os tempos em que, ainda jovem, Anísio era um fervoroso católico que esteve próximo de entrar para a Companhia de Jesus.
Datada de 23 de julho de 1957, vale a pena a leitura de uma das cartas que o Cardeal da Silva lhe dirigiu, no calor da disputa:
“Meu caríssimo Dr. Anísio
Foi dolorosa surpresa a leitura do artigo A bolchevisação do ensino, principalmente por vê-la sob o título de Vida Católica.
A mágoa que, de justiça lhe causou aquela publicação, feriu-me, ao mesmo tempo, profundamente; conheço bem seu coração e suas idéias. Se ao menos se refutasse, calmamente alguma idéia sua, alguma daquelas que discordam do pensamento genuinamente católico, ainda bem, mas tripudiar sobre um nome reconhecidamente admirado, é realmente estulto, gravemente injusto, e mais ainda contraproducente.
Sei que o meu boníssimo amigo de todos estes trinta e dois anos de nossa amizade, tem abraçado algumas doutrinas menos cristãs, ou pelo menos, menos católicas, que consequentemente, logicamente, o tem afastado das santas práticas religiosas, mas, daí para xingar exclusivamente, vai um abismo. Esta a razão que me fez sofrer duplamente – a sem razão da ofensa e também a leviandade do ofensor, por ser este quem é. Particularmente chamarei a atenção dele; e a você, meu bom e querido amigo, trago-lhe minha reparação à mágoa que lhe foi irrogada pelo redator da Vida Católica.
E já agora que sua amizade e confiança me derramou no peito amigo a justa e dolorosa queixa, quero, ainda uma vez dizer-lhe, que quero sempre ser seu amigo, e que realmente sofro em o ver sofrer tais injustiças.
Há, porém, meu caro Anísio, erros profundos em seu iluminado espírito!!! Bem sabe que muita luz cega muito mais do que as trevas. Não foi o espírito da luz, quem primeiro errou?
Permita-me a confidência amiga. Li algumas páginas de um de seus livros, valioso presente, que agradeço muito penhoradamente, e pareceu-me descobrir indiretas pejorativas à idade média, a dos maiores gênios e a dos maiores santos. Sua apaixonada ‘idolatria’ pela ciência e pelas belas letras, levou-o a prestar culto indevido ao Monteiro Lobato, cuja doutrina é atrevidamente demolidora da fé católica. (…) E o meu amigo, pôs os olhos somente na ciência e na literatura de M. Lobato, pois não?
Mas não quero tratar disso. Quero apenas levar-lhe minha solidariedade, na mágoa que lhe causou a falta de assunto para o jornalista incipiente e apressado.
Sempre seu
a.  Augusto Cardeal da Silva “
Terminado o Governo Kubitscheck, Jânio Quadros toma posse em 1961. Anísio permanece nos cargos e sua influência cresce ainda mais. Para que tenhamos a verdadeira dimensão dessa influência, basta a revelação do teor de um  bilhetinho que, segundo O Correio Paulistano, edição de 30/3/1961, teria sido enviado pelo Presidente Jânio ao então Ministro da Educação e Cultura, Brígido Tinoco:
“Ao Ministro da Educação. Excelência: 1. Percebo, ao longo de relatórios, que V. Exa., sobre ser inatuante, ignora, profundamente, os problemas concernentes à pasta. 2. Confirmo que, de fato, nos últimos dias, meu assessor, e dos mais autorizados, e dos mais idôneos, tem sido o Prof. Anísio Teixeira. Fá-lo-ei ministro de Estado tão logo V. Exa. compreenda que é corpo estranho na máquina administrativa da União. 3. Existem, e só, duas dificuldades para concretizar a nomeação do Prof. Anísio Teixeira: a) o veto do Sr. Carlos Lacerda; b) a oposição frontal da Igreja, através dos seus líderes mais preeminentes.”
Na síntese da imensa contribuição de Anísio para a educação e a cultura brasileira, convém ressaltar a compreensão política que sempre orientou sua vida pública, segundo a qual a educação deveria ser a questão central na construção da democracia. A conexão entre educação e democracia é marca registrada em toda sua obra. A propósito, diz ele no célebre discurso em que apresentou à Constituinte Estadual Baiana, em 1947, uma revolucionária proposta de autonomia para a educação em nosso estado:
“Nascemos desiguais e nascemos ignorantes, isto é, escravos. A educação faz-nos livres pelo conhecimento e pelo saber e iguais pela capacidade de desenvolver ao máximo nossos poderes inatos. A justiça social, por excelência, da democracia consiste nessa conquista da igualdade de oportunidades pela educação. Democracia é, literalmente, educação. Há entre os dois termos, uma relação de causa e efeito. Numa democracia, pois, nenhuma obra supera a da educação. Haverá, talvez outras aparentemente mais urgentes ou imediatas, mas estas mesmas pressupõem, se estivermos numa democracia, a educação. Com efeito todas as demais funções do estado democrático pressupõem a educação. Somente esta não é a conseqüência da democracia, mas a sua base, o seu fundamento, a condição mesma para a sua existência”
A escola era para ele o lugar da formação integral do cidadão. Por isso, teria de ser uma escola de dia inteiro, na qual atividades de instrução pudessem coexistir com atividades de educação para a vida. Professava a idéia de John Dewey, o filósofo norte-americano do pragmatismo que muito o influenciou, para quem a escola não deve simplesmente imitar a vida nem somente preparar o indivíduo para a vida. Ela deve ter o objetivo de ir além, isto é, a escola deve ser a própria vida.
Munido desse princípio, Anísio aperfeiçoa o modelo da Platoon School (Escola Pelotão), modelo de escola de tempo integral que vai buscar na Detroit do início do século, muito parecido com o que conseguiu implantar no Distrito Federal, no período de 1931 a 1935. Sucessivamente aperfeiçoado, esse modelo culmina com o Centro de Educação Popular Carneiro Ribeiro, inaugurado em outubro de 1951, mas somente concluído em 1962, aqui em Salvador. A Escola Parque do Centro Educacional Carneiro Ribeiro é a mais perfeita materialização da concepção de cultura para formação integral do cidadão, que já se produziu no sistema educacional de nosso país.
Buscando referências diretas à questão da cultura na obra de Anísio, para que possamos ter, ao menos uma tintura de sua extensa e ao mesmo tempo profunda reflexão sobre o tema, cito a seguir, trechos um discurso de paraninfo que pronunciou na Faculdade Nacional de Filosofia, no final de 1959:
“A transmissão da cultura é, em grande parte, algo de automático. O característico de uma verdadeira cultura tradicional é um estado de aceitação e integração social tão completo e perfeito que, de certo modo, nela não se pode ter consciência. Culturas, nesse estado, transmitem-se espontaneamente, pelo exemplo, pela convivência, por irradiação direta do contato social.
A escola, e com ela o magistério, somente surgem quando a cultura passa a carecer de cuidados especiais para se produzir, ou seja, para guardar e conservar seus aspectos determinados e conscientes. Em rigor, a escola surge quando a cultura se faz assim intencional e voluntária e necessita de meios ou instrumentos artificiais, cujo uso tem de ser aprendido, para se reproduzir e se conservar sem alteração.
De posse desses valores, em rigor espirituais, integrantes de sua cultura, um povo percebe quanto está aberta a possibilidade de sua modificação, seja pela perda desses valores conscientes, seja pela sua alteração ou renovação. A escola, criada para impedir a sua perda, ou modificação, não pode deixar de sentir-se, ao mesmo tempo, instrumento de sua possível modificação. Contra isto é que atua o propósito consciente de inércia, que domina toda sociedade, forçando a escola a se manter a mais conservadora das instituições, a instituição, por excelência, de defesa do statu quo.”
É nesse último ponto que ele ressalta o papel fundamental da universidade, e justifica o sentido dinâmico da articulação da cultura com a atividade de pesquisa, e desta com o ensino e com a extensão na universidade, numa síntese magistral sobre o fazer universitário, recolhida por Luiz Viana Filho nos arquivo do educador mantido pelo CPDOC da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro:
“Quando se diz que a universidade deve passar à pesquisa, não significa que deva haver um acréscimo, isto é, que lhe devamos anexar mais uma tarefa para ela se transformar na universidade de pesquisa. A universidade somente será de pesquisa quando passar a reformular a cultura que vai ensinar. Pode parecer excessivo dizer que a cultura humana tem de ser reelaborada para ser ensinada. Isso, porém, é literalmente verdade. Se se trata de uma cultura própria e já existente, a transição é uma revisão e adaptação, pois toda cultura é ela própria um processo dinâmico. Mas se desejo transmitir uma cultura nova, não a posso transmitir pondo o aprendiz em contato com os produtos dessa cultura, mas tornando possível ele aprendê-la pelo processo de sua formação, de modo que ele, de algum modo a reinvente, inserindo-a em seu modo de pensar. Ele não deve ficar apenas capaz de compreendê-la mas de fazê-la e de continuá-la, sem mencionar a capacidade de aplicá-la.”
Anísio estava no exercício da Reitoria da UnB, o ambicioso projeto que construiu, lentamente, atraindo para ele a nata da intelectualidade brasileira, enquanto foi presidente da SBPC, de 1955 a 1959,  quando se deu o golpe militar de 1964, oportunidade em que foi obrigado a aposentar-se do serviço público. Em 1965, dá-se a invasão militar na UNB, que opera a destruição, mais uma vez, de todo o seu esforço no sentido de dotar o Brasil de uma universidade capaz de servir de modelo para a atualização do sistema universitário nacional. O projeto da UnB, tido como o mais completo formulado pela intelectualidade brasileira, inclusive tendo entre seus objetivos o da integração cultural latino-americana, foi destruído na essência, mas terminou, bem ou mal,  sendo uma das referências para a elaboração da Reforma Universitária de 1968 .Dentre as características da ação cultural de Anísio, vale destacar a sua capacidade de atrair grandes personalidades da área cultural nacional para participar nos inúmeros projetos de governo, iluminados por sua iniciativa. Assim, ele é o responsável direto pela participação de Heitor Villa-Lobos no trabalho de educação musical, desenvolvido de 1932 a 1935, quando da gestão de Secretário de Educação e Cultura do Distrito Federal (Rio de Janeiro). A repercussão desse trabalho do grande músico resultou na introdução de uma disciplina educação musical na escola pública, em todo o país. Na área de cinema, Anísio levou Humberto Mauro para dirigir o Departamento de Cinema Educativo do MEC, fato que muito contribuiu para a difusão nacional dessa arte. Na área das artes plásticas, Augusto Rodrigues foi muito incentivado por Anísio na difusão nacional do projeto de arte-educação, através da Escolinha de Arte do Brasil. Na Bahia, também foi grande a influência de Anísio, enquanto Secretário de Educação e Saúde, de de 1947 a 1951, particularmente na introdução da arte e da arquitetura moderna no em  estado, ao incentivar novos talentos e, particularmente, ao promover a realização do I Salão Baiano de Belas Artes. Dele estiveram próximos Mário Cravo Jr., Carlos Bastos, Caribé, Maria Célia, Carlos Magano, Jenner Augusto e muitos dos novos valores, como Juarez Paraíso e Ângelo Roberto, dentre tantos outros, que dele receberam, de uma ou outra forma, incentivos para o aperfeiçoamento artístico. Anísio possuía uma capacidade inata de atrair talentos para perto de si, os quais contavam sempre com ele para avançar em sua arte ou ciência.
No Departamento de Saúde de sua Secretaria no Governo Mangabeira, o titular, por certo tempo, foi  José Silveira. Thales de Azevedo, também médico, mas que tornou-se antropólogo pela influência de Anísio, dele recebeu a incumbência de montar a estrutura de uma instituição que viria a ser  pioneira em nosso país, na forma de conceder auxílio financeiro, diretamente ao pesquisador, para projetos de natureza cultural, científica ou tecnológica. A Fundação para o Desenvolvimento da Ciência foi instalada em dezembro de 1950, doze anos antes da segunda, a FAPESP de São Paulo (que muitos acreditam ter sido a primeira). Concebida por Anísio Teixeira, desde a idéia de garantir a sustentação financeira da instituição através de uma dotação fixada na Constituição Estadual da Bahia de 1947, os primeiros trabalhos financiados por essa fundação foram de um convênio firmado entre a UFBA e a Universidade Columbia, de Nova Iorque, que deu um grande impulso à pesquisa em Antropologia, Sociologia e História em nosso estado. A trajetória dessa instituição, que funcionou por mais de duas décadas, é responsável, praticamente, por todo o avanço que o nosso estado conseguiu lograr, no campo da pesquisa científica e tecnológica, naquele período.
Concluo aqui esta tentativa de lhes trazer a projeção de Anísio Teixeira, esperando ter contribuído para revelar o quanto sua ação cultural incessante serviu para que pudéssemos chegar até aqui, infelizmente ainda pugnando por conquistas que ele conseguiu instalar entre nós, mas que foram inapelavelmente destruídas. Contudo, consola-nos pensar que ele já nos deixou grande parte do terreno desbravada, e que podemos nos servir de seu legado para promover a necessária revolução que pregou, atualizando seus ensinamentos, adaptando criativamente sua obra ao tempo e ao lugar presente, como ele muito bem desejaria. Muito obrigado!


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.